Calçado

Luís Onofre escolhido como líder europeu da indústria do calçado

19.109

Luís Onofre assumirá, a presidência da CEC em maio. Diz que pretende aproveitar "para ajudar a indústria portuguesa a ser cada vez mais reconhecida a nível internacional".

JOSE COELHO/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Luís Onofre, foi nomeado presidente da confederação europeia do setor para o próximo triénio, numa demonstração do prestígio internacional de Portugal nesta indústria, anunciou este domingo o ministro da Economia.

Luís Onofre assumirá, a presidência da Confederação Europeia de Indústrias de Calçado (CEC) em maio. Diz que pretende aproveitar “para ajudar a indústria portuguesa a ser cada vez mais reconhecida a nível internacional” e para avaliar com mais profundidade “algumas situações que se passam a nível da Europa”.

“O presidente da APICCAPS [Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e Seus Sucedâneos], Luís Onofre, acaba de ser nomeado presidente da CEC”, afirmou Pedro Siza Vieira à margem de uma visita à delegação de 90 empresas portuguesas que participa até quarta-feira, em Milão, na maior feira internacional do setor do calçado, a Micam.

Em declarações aos jornalistas, o governante destacou tratar-se de “uma distinção não apenas à pessoa e à sua capacidade de liderança, mas também um reflexo da importância que a confederação europeia atribui ao setor em Portugal”, e que permitirá ao país “contribuir para a afirmação da indústria europeia, mas particularmente para a elevação da imagem de Portugal”.

“A forma como o mundo aprecia o percurso da indústria portuguesa de calçado é impressionante, é um caso de estudo e um exemplo internacional e no país”, sustentou Siza Vieira.

Para Luís Onofre, a presidência da CEC – que assume a partir de maio – “é um prestígio” pessoal e para o setor, que pretende aproveitar “para ajudar a indústria portuguesa a ser cada vez mais reconhecida a nível internacional” e para avaliar com mais profundidade “algumas situações que se passam a nível da Europa”.

Afirmando-se “impressionado com a presença portuguesa” na feira de Milão, onde Portugal se destaca como a segunda maior delegação estrangeira, depois de Espanha, o ministro Adjunto e da Economia destacou o papel de “suporte” que tem vindo a ser desenvolvido pela APICCAPS, apontando-a como “protagonista da transformação notável” da indústria nacional do setor.

Relativamente ao desempenho do setor português do calçado em 2018, em que – segundo os últimos dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) – as exportações aumentaram 0,98% em volume (para perto de 84 milhões de pares), mas recuaram 2,85% em valor (para 1.904 milhões de euros), Siza Vieira considerou que “o grande trabalho que há que continuar a fazer é na diversificação de mercados e na promoção externa”.

“Essa ligeira redução da faturação nas exportações também tem a ver com a circunstância de os consumidores internacionais estarem a evoluir nas suas preferências e haver, neste momento, alguma procura por materiais alternativos que não a pele e que não são tão caros”, referiu.

Contudo, disse, “as empresas portuguesas têm conseguido adaptar-se a essas mudanças na procura”, sendo que a indústria nacional se distingue por ser “muito flexível, rápida e capaz de responder às necessidades do mercado”.

Ao nível da promoção externa, Siza Vieira apontou o investimento de 16 milhões de euros programado para este ano pela APICCAPS, com o apoio do Programa Compete, a que acrescem mais dois milhões de euros na valorização das marcas portuguesas.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)