Estados Unidos da América

Ocasio-Cortez propôs mesmo proteção para quem “não quer trabalhar”?

371

Confusão instalada após Alexandria Ocasio-Cortez ter difundido um plano em que se pedia proteção para quem não quer trabalhar. E se queria eliminar a flatulência das vacas. Há acusações de fraude.

AFP/Getty Images

Um grupo de membros do partido democrata norte-americano, liderados pela congressista Alexandria Ocasio-Cortez, divulgou um plano económico — o Green New Deal — que promete lançar uma “transformação fundamental da nossa sociedade”, com a eliminação do uso de combustíveis fósseis e a criação de “milhões de empregos sindicalizados suficientes para suportar uma família”. Mas o plano, pelo menos uma versão que o grupo reconhece ter colocado na Internet, defendia, também, “segurança económica para aqueles que não podem ou não querem trabalhar“. A proposta foi ridicularizada pelos republicanos, mas o grupo entrou em modo de contenção de danos, alegando que o documento não era a versão final e acusando os republicanos de terem falsificado o documento.

A confusão instalou-se depois de meios de comunicação como a CNBC publicarem notícias — com documento incluído — onde aparecia a proposta de Ocasio-Cortez de lançar um novo New Deal para a economia norte-americana, uma espécie de nova versão do plano apresentado por Franklin Delano Roosevelt após a Grande Depressão dos anos 30.  Terá sido a própria equipa de Ocasio-Cortez, democrata de Nova Iorque que viu a sua popularidade disparar recentemente nas redes sociais, que enviou para vários jornais a versão do plano que, de facto, não só fala da segurança económica para quem não quer trabalhar como fala das “emissões das vacas” e das viagens aéreas, dando a entender que estas últimas poderiam ser proibidas.

Esse documento foi enviado, durante a semana, com embargo até ao final da semana — continua uma visão geral do plano, por pontos, e uma secção de FAQ (questões colocadas frequentemente). Quando foi publicado, mais do que indignação, o documento causou comentários jocosos, sobretudo vindos de pessoas ligadas ao partido republicano. Alexandria Ocasio-Cortez reconheceu que esse documento tinha sido enviado, por engano, e depois eliminado por ser um “rascunho”. Mas, salientando que há “várias versões falsificadas a circular por aí”, a congressista sublinhou que o que importa é o documento que foi entregue ao Congresso norte-americano (que apenas fala no objetivo de “promover a justiça e a igualdade”).

A versão final da resolução pode ser encontrada nesta ligação. Um porta-voz do movimento liderado pela congressista nova-iorquina confirmou, citado pelo The Hill, que houve um rascunho que era uma versão “claramente inacabada”, que não representa a resolução que acabou por ser efetivamente submetida (a ideia era esperar pelo lançamento, monitorizar as perguntas que surgissem, e reescrever o FAQ antes da publicação). Uma grande confusão, portanto.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ecaetano@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)