Rádio Observador

Benfica

A goleada do Benfica que impressionou um jogador da NBA: “E eu que pensei que o Chelsea teve um dia mau…”

Há qualquer coisa entre os Houston Rockets e o Benfica: depois de James Harden ter aparecido com a camisola dos encarnados, Clint Capela comentou triunfo das águias com foto de Seferovic.

Clint Capela é um poste suíço dos Houston Rockets que começou a jogar futebol em miúdo e não deixou de seguir a modalidade

Getty Images

O Benfica parece não passar ao lado de forma transversal a grandes figuras de outras modalidades que não o futebol, sendo vários os exemplos de atletas ou antigos atletas que surgem em público com a camisola do clube casos de Novak Djokovic (ténis), Mike Tyson (boxe) ou Jordi Smith e Matt Wilkinson (surf). No entanto, é na NBA que parece estar o grupo maior de fãs e a goleada histórica das águias ao Nacional por 10-0 não passou ao lado de um jogador da maior liga mundial de basquetebol.

Depois de James Harden, grande estrela dos Houston Rockets, ter surgido e deixado o pavilhão antes de um jogo com a camisola do Benfica, e de Walter Tavares, cabo-verdiano que jogou nos Cleveland Cavaliers com LeBron James antes de rumar ao Real Madrid, onde ainda se encontra, também John Collins, extremo poste dos Atlanta Hawks que foi a 19.ª escolha no draft de 2017 colocou uma imagem como DJ tendo o equipamento das águias. Agora foi Clint Capela, também ele dos Rockets, a não passar ao lado do feito dos encarnados, deixando uma mensagem na sua conta oficial no Twitter com a fotografia de Seferovic a comemorar um golo e o texto “E eu que pensei que o Chelsea teve um dia mau…”.

O suíço referia-se assim a outra grande surpresa que tinha acontecido cerca de uma hora e meia antes em Inglaterra, quando o Manchester City de Bernardo Silva goleou o Chelsea por 6-0 (e já estava 4-0 aos 25 minutos…) num encontro onde os blues de Maurizio Sarri sofreram pela primeira vez seis golos desde que passou a haver Premier League.

Nascido em Genebra, com ligações familiares a Angola e ao Congo, o poste de 24 anos até começou a jogar futebol, o seu maior interesse, mas o facto de já ter 1.90 metros com apenas 13 anos fez com que mudasse para o basquetebol, onde não demorou a dar nas vistas e a integrar o centro de treinos de Chalon-sur-Saône. Em 2012, com 18 anos, Capela estreou-se pelos seniores pelo Élan Chalon, sendo escolhido dois anos depois no draft pelos Houston Rockets como a 25.ª opção desse ano.

No primeiro ano, acabou por ter muitas passagens pelos Rio Grande Valley Vipers, equipa que disputa a D-League, mas começou a aparecer com maior ênfase nos playoffs dessa temporada. Seguiram-se números sempre em crescendo nos Rockets, com 7.0 pontos e 6.4 ressaltos de média em 2015/16; 12.6 pontos e 8.1 ressaltos em 2016/17; e 13.9 pontos e 10.8 ressaltos em 2017/18. No final da última temporada, estando como free agent, renovou por cinco anos com a equipa de Houston num acordo que lhe vai render 90 milhões de dólares até 2023. Nesta altura, o jogador está fora por causa de uma lesão no polegar da mão direita, tendo até meio de janeiro a média de 17.6 pontos e 12.6 ressaltos num dos candidatos à final da NBA via Conferência Oeste.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)