Moda

“Caí das escadas”. A violência doméstica não tem desculpa na nova linha de t-shirts solidárias da Josefinas

5.184

Conhecida pelo calçado que já conquistou o mundo, a marca portuguesa Josefinas volta ao ataque contra a violência doméstica, com uma linha de t-shirts ilustradas que apoia a APAV.

A marcha da violência doméstica não abranda o passo, pelo contrário. E se as cifras negras não têm um pingo de glamour ao pé das cobiçadas Josefinas, a marca portuguesa retoma uma campanha de sensibilização que acaba de ser apresentada na Semana de Moda de Nova Iorque, que se estende até 16 de fevereiro.

Das sabrinas e sapatilhas que conquistaram o mundo para uma linha de t-shirts solidária, materializada com o cunho da dupla criativa composta por Marcelo Lourenço e Pedro Bexiga. “Com ‘Collections’ pretendemos provocar uma discussão e sensibilizar para a ocorrência deste crime silencioso. Cada t-shirt conta a história de uma mulher vítima de violência doméstica, e são um espelho das histórias de milhares de mulheres”, resume em comunicado a marca liderada por Maria Cunha, a CEO da Josefinas.

Assinadas pela ilustradora britânica Jaqueline Bisset, que já colaborou com Yves Saint Laurent, Louis Vuitton ou Givenchy, as peças recuperam algumas das desculpas mais flagrantes usadas pelas mulheres, alinhadas com o encobrimento e a vergonha. “Caí das escadas”, “fui contra um armário”, “fui contra uma parede”, são apenas três justificações comuns para ferimentos, nódoas negras e outros desfechos macabros de um cenário longe de sarar.

À semelhança do trabalho realizado com os pares e atacadores cujas vendas revertiam para a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima, também esta coleção especial reverterá a favor desta instituição. “O montante angariado pela venda de cada t-shirt destina-se às Casas de Abrigo da APAV para que mulheres em perigo tenham acesso a necessidades básicas, como abrigo e alimentação, e a apoios jurídicos, sociais e psicológicos durante um mês”, explica a representante Tânia Antunes — graças à iniciativa ‘You Can Leave’, foi possível apoiar uma média de 24 mulheres por mês, todas elas vítimas de violência, desde julho 2018.

A ilustradora britânica Jaqueline Bisset assina os desenhos de “Collections’

As t-shirts custam 79 euros e estão disponíveis online.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mrsilva@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)