Mário Centeno

Centeno acredita no acordo sobre orçamento para zona euro

O presidente do Eurogrupo afirma que há muito trabalho pela frente, mas manifesta satisfação com a primeira discussão sobre as possíveis formas que o orçamento pode ter, sobretudo ao nível de gestão.

"Acordámos que o objetivo é apoiar o crescimento potencial e melhorar a resiliência e capacidade de ajustamento das nossas economias", salienta Mário Centeno

OLIVIER HOSLET/EPA

O presidente do Eurogrupo, Mário Centeno, afirmou esta segunda-feira que está “certo” de que os países da moeda única vão alcançar um acordo sobre um instrumento orçamental próprio para a convergência e competitividade na zona euro até junho.

“Lembro que foi um assunto controverso em dezembro, mas estamos numa nova fase agora. O instrumento foi acordado pelos líderes e agora temos de completar os detalhes. A atitude à volta da mesa é construtiva e eu estou certo de que vamos alcançar um acordo a tempo de junho”, declarou.

Mário Centeno falava na conferência de imprensa no final de uma reunião do Eurogrupo, na qual houve, no chamado formato inclusivo (com os países de fora da zona euro), uma primeira troca de pontos de vista sobre o instrumento orçamental para a convergência e competitividade, acordado pelos líderes europeus em dezembro passado, com um mandato dado ao Eurogrupo para trabalhar numa proposta a ser discutida em junho próximo.

O presidente do Eurogrupo admitiu que há muito trabalho pela frente e há “restrições em termos de tempo”, mas manifestou-se satisfeito com esta primeira discussão, dedicada sobretudo a explorar as possíveis formas que esse instrumento orçamental pode ter, designadamente ao nível de financiamento e gestão.

Acordámos que o objetivo é apoiar o crescimento potencial e melhorar a resiliência e capacidade de ajustamento das nossas economias. Hoje, discutimos duas formas de alcançar esse objetivo: reforçar o investimento, particularmente o privado, e apoiar as reformas estruturais”, começou por referir.

Os ministros das Finanças também consideraram “várias opções relativas ao financiamento e governação”, apontou Centeno, lembrando que “os líderes claramente pretendem um papel para os Estados-membros da zona euro em termos de orientação estratégica e definição de critérios”.

“O desafio é articular este papel no contexto do orçamento da UE, de uma forma sólida em termos legais e institucionais”, reconheceu, sublinhando, todavia, que “as fontes de financiamento deste instrumento e o seu modelo de governação são determinantes para o seu sucesso”.

Comentando a discussão realizada, o comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, sublinhou que “ainda subsistem muitas questões” e “diferenças” entre os Estados-membros, mas também considerou que “a reunião de hoje foi boa”, pois serviu para “clarificar posições” e “o clima foi construtivo”.

Apontando que pôde constatar “uma grande vontade” da presidência do Eurogrupo em trabalhar com vista a um acordo, Moscovici comentou que, pela sua parte, considera que o grande desafio “é sobretudo político” e defendeu de forma veemente a necessidade de que os países trabalhem “num bom espírito e com boa fé para avançar rumo à criação de um instrumento orçamental que seja eficaz e ambicioso”.

“A zona euro atualmente não promove a convergência e não desencoraja as desigualdades”, lamentou, observando que, “pelo contrário, desde a crise há uma divergência crescente”, e apontou esse como um dos grandes motivos do euroceticismo.

Em dezembro passado, Centeno recebeu um mandato dos chefes de Estado e de governo da zona euro para trabalhar numa proposta de uma capacidade orçamental própria para a convergência na zona euro, há muito defendida pelo Governo português, e que é suposto ser apresentada em junho de 2019.

No final da cimeira do euro de 14 de dezembro último, o primeiro-ministro contentou-se com o mandato “com um prazo específico” dado a Mário Centeno para avançar na capacidade orçamental focada na convergência, uma matéria que “tem sido uma prioridade claramente afirmada por Portugal”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Caixa Geral de Depósitos

Caixa para que te quero

Inês Domingos

Centeno quis a toda a força financiar a Caixa para lá do que seria aparentemente preciso, mas disse no Parlamento que não tem interesse no resultado da auditoria que revelou os desmandos socialistas. 

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)