Rádio Observador

Passadeira Vermelha

Da passerelle para os Grammys: quando a grande noite da música começa em Paris

103

Chapéus, plumas, alta-costura e tesouros de arquivo. Antes de distribuir prémios, os Grammys relembraram que, numa passadeira vermelha, tudo é possível. Até levar Paris para Los Angeles.

A noite foi de celebração da música, mas tudo começou com um impressionante desfile na passadeira vermelha do Staples Center, em Los Angeles. E as convidadas jogaram pesado. Muitas arrojaram nos acessórios, outras trouxeram criações de alta-costura que pensávamos poder ver apenas no ambiente controlado de uma passerelle. Estávamos enganados. Outras foram mais longe e abriram os arquivos de designers europeus. Foi o que fez Cardi B, a figura exuberante do costume, mas desta vez empacotada num vestido teatral feito na década de 90 pelo francês Thierry Mugler. Na noite de domingo, a cantora foi a pérola no centro de uma ostra que o mundo da moda já tinha esquecido.

Miley Cyrus recorreu ao mesmo criador, mas há quem tenha procurado outro tipo de material em Paris. Katy Perry e Kylie Jenner, por exemplo, foram bater à mesma porta. Depois de ter apresentado uma coleção de alta-costura no mês passado, a primeira em 16 anos, a Balmain serviu as duas convidadas com o que tinha de melhor, dentro do estilo de cada uma. A primeira usou um vestido escultural, a segunda, uma espécie de fato 2.0. As duas foram responsáveis por ditar a cor da noite: o cor-de-rosa.

A arquitetura da roupa sobrepôs-se à vontade de exibir o corpo, predisposição certa para abrir a porta à alta-costura francesa, mesmo numa noite como a dos Grammys, em que, muitas vezes, o freakshow é já um mal anunciado. Janelle Monae, convidada irrepreensível, escolheu Jean Paul Gaultier. De ombros pontiagudos, apontados para o céu, arriscou no chapéu e, num ápice, trocou a costa oeste dos Estados Unidos pela Place Vendôme.

A norte-americana St. Vincent apanhou o mesmo voo e voltou com o mais improvável dos Vallis (também alta-costura). Lady Gaga surgiu em Celine, por Hedi Slimane, Dua Lipa em Versace e até a novata Kacey Musgraves foi a Itália entender-se com a casa Valentino.

Houve exceções, obviamente. Jennifer Lopez, uma das figuras mais marcantes da noite, vestiu-se de branco e com um chapéu de aba larga, pelas mãos da dupla Ralph & Russo. A marca britânica não teve mãos a medir — vestiu ainda as atrizes Anna Kendrick e Tracee Ellis Ross, que podem não ter ficado com um lugar no pódio, mas que certamente ficaram a salvo da inevitável seleção vexatória. Por falar nisso, que palavras dirigir às cantoras Ashanti e Fantasia? Não que as expectativas estivessem muito elevadas, mas era de evitar. Maren Morris bem que se podia ter esforçado mais, mas nada de muito preocupante. Teremos sempre Blanca Blanco para chutar para o fundo da lista. Além disso, nunca ninguém vai ficar abaixo da senhora do vestido-muro.

Na fotogaleria, reunimos os looks que marcaram a noite.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)