Nações Unidas

EUA e Rússia preparam resoluções opostas sobre Venezuela para Conselho de Segurança

Os americanos apoiam a oposição e os russos apoiam Maduro, considerando que a situação na Venezuela representa um assunto interno e criticam qualquer interesse em intervir.

Quanto a uma possível votação, não há uma data prevista, dado que os embaixadores dos 15 países estão em viagem oficial a África

PETER FOLEY/EPA

Os Estados Unidos e a Rússia estão a preparar resoluções opostas em relação à Venezuela para apresentar ao Conselho de Segurança das Nações Unidas, com os americanos a apoiar a oposição, e os russos atrás de Maduro.

No esboço da resolução que os norte-americanos pretendem apresentar, e avançada esta segunda-feira pela agência Efe, estes consideram que a Assembleia Nacional venezuelana, composta maioritariamente pela oposição, representa “a única instituição eleita democraticamente na Venezuela” e apoiam as suas ações.

A proposta considera que as eleições de maio de 2018, nas quais Maduro foi reeleito, não foram “nem livres, nem justas”, e sugere que a realização de um novo sufrágio é a alternativa para sair da crise no país.

De acordo com a agência noticiosa espanhola, a resolução dos EUA exige, “imediatamente”, o começo de um “processo político que leve a umas eleições presidenciais livres, justas e credíveis” sob escrutínio internacional, apelando ao secretário-geral da ONU, António Guterres, para utilizar “os seus bons serviços” neste sentido.

O texto dos EUA sublinha ainda a necessidade de garantir “a segurança de todos os membros da Assembleia Nacional e dos membros da oposição política”, alertando para a “violência e uso excessivo da força por parte das forças de segurança contra manifestantes pacíficos”.

O esboço da proposta de resolução dos representantes de Washington menciona ainda a situação humanitária, enfatizando a necessidade de “evitar uma maior deterioração” e de “facilitar o acesso e a entrega de assistência a todos aqueles” que dela precisam naquele país da América do Sul.

Por outro lado, a proposta da Rússia considera que a situação na Venezuela representa um assunto interno e critica qualquer interesse em intervir, de acordo com fontes diplomáticas ouvidas pela Efe.

A proposta russa defende que o diálogo é a única via para resolver a crise na Venezuela e mostra-se preocupada pelas ameaças de uso de força.

Por ambos serem membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU, tanto os Estados Unidos como a Rússia têm a capacidade para vetar a resolução oposta.

Em 26 de janeiro, a crise venezuelana foi discutida formalmente numa sessão pública de um Conselho de Segurança que se mostra dividido.

Na altura, a Rússia tentou, sem êxito, travar a celebração dessa reunião – uma posição partilhada por outros três países: China, África do Sul e Guiné Equatorial -, mas os nove votos a favor (e duas abstenções) foram suficientes para o Conselho de Segurança avançar com iniciativas.

Quanto a uma possível votação, não há uma data prevista, dado que os embaixadores dos 15 países estão em viagem oficial a África.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro. Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres.

Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos.

A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes. A repressão dos protestos antigovernamentais desde 23 de janeiro provocou já 40 mortos, de acordo com várias organizações não-governamentais. Esta crise política soma-se a uma grave crise económica e social que levou 2,3 milhões de pessoas a fugirem do país desde 2015, segundo dados da ONU.

Na Venezuela, antiga colónia espanhola, residem cerca de 300.000 portugueses ou lusodescendentes.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)