Amadora

Festival Amadora Jazz regressa em março com novidades

A inclusão dos artistas internacionais é a principal novidade do festival. O trio com mais de 50 anos de carreira, o pianista Marc Copland, o contrabaixista Drew Gress e o baterista Joey Baron.

@municipiodaamadora

Autor
  • Agência Lusa

O próximo Amadora Jazz vai decorrer entre os dias 7 e 9 de março, com o habitual destaque de “figuras cimeiras do jazz nacional”, que este ano combina com músicos estrangeiros, como “o poeta do piano” Marc Copland, anunciou esta segunda-feira a organização.

Até hoje, o Amadora Jazz contou sempre com figuras cimeiras do jazz nacional”, escreve o Jazz ao Centro Clube, que organiza o festival, acrescentando que este ano a 9.ª edição tem “como principal novidade a inclusão de artistas internacionais no seu cartaz”.

Os convidados são o pianista Marc Copland, o contrabaixista Drew Gress e o baterista Joey Baron, o trio do “mestre de inovações harmónicas e da polifonia rítmica”, com mais de 50 anos de carreira, que também tocou com o guitarrista John Abercrombie e contrabaixista Gary Peacock. O trio de Marc Copland atuará no fecho do festival, no dia 9 de março, nos Recreios da Amadora.

Dois dias antes, quinta-feira, dia 7 de março, a abertura é feita no mesmo palco, pelo trio TGB, formado pelo tubista Sérgio Carolino, o guitarrista Mário Delgado e o baterista Alexandre Frazão. O trio TGB (tuba, guitarra, bateria) faz uma das “primeiras apresentações públicas do novíssimo trabalho discográfico, lançado em janeiro”, o álbum “III”.

O Jazz ao Centro escreve que este álbum “revela três músicos em topo de forma e uma sonoridade de grupo que os próprios dizem ser ‘sem fronteiras’ estilísticas, recolhendo influências em muitos universos musicais, com especial ênfase para o rock”.

No dia 8, o palco dos Recreios da Amadora acolhe o L.U.M.E. (Lisbon Underground Music Ensemble), liderado pelo compositor e pianista Marco Barroso, que reúne veteranos como José Menezes e jovens valores como Ricardo Toscano, segundo a organização.

O ensemble de 15 instrumentistas é composto por alguns dos mais experientes músicos de jazz e de música erudita em Portugal, e inspira-se na tradição da big band, mas atualiza esse discurso de forma inteligente e irónica. A música de L.U.M.E. combina a composição escrita com improvisação e viaja entre universos aparentemente tão distintos como o funk e a música textural, o boogie woogie e ambientes impressionistas… com requintes zappianos”, lê-se no comunicado do Jazz ao Centro.

O derradeiro dia do festival, sábado, 9 de março, comporta dois concertos. O primeiro, à tarde, no Cineteatro D. João V, conta com o GeraJazz, nascido de uma parceria entre a Orquestra Geração e a Escola de Jazz do Hot Clube. O agrupamento começou a atividade em 2010 e é dirigido pelo maestro Eduardo Lala.

O 9.º Amadora Jazz encerra nos Recreios da Amadora, com “três três figuras fundamentais do jazz contemporâneo” – Marc Copland, Drew Gress e Joey Baron – “naquela que será uma data única em Portugal”, garante a organização.

Deixamos aqui um excerto do 8.º ciclo do Amadora Jazz de 2018.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Arrendamento

A coisa /premium

Helena Matos

Programas para proprietários que antes de regressarem à aldeia entregam ao Estado as suas casas para arrendar. Torres com 300 apartamentos. O arrendamento tornou-se na terra da intervenção socialista

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)