Rádio Observador

Viral

Grammys: ela vestiu-se como o muro que Trump quer construir

122

A moda foi utilizada por apoiantes das políticas de imigração de Trump nos Grammys. A cantora Joy Villa usou um vestido com a frase "Constrói o muro" e nem o arame farpado lhe faltou.

Chama-se Joy Villa e, no último domingo, aproveitou a passagem pela passadeira vermelha dos Grammys para expressar o seu apoio às políticas anti-imigração de Donald Trump. A cantora e compositora californiana começou por pisar a red carpet com um vestido prateado, arame farpado (ou um material semelhante) sobre os ombros, uma coroa de pregos na cabeça e uma mala com a frase “Make America Great Again” (Façam a América Grande Outra Vez), slogan de campanha do atual presidente dos Estados Unidos.

O vestido de Joy Villa na passadeira vermelha dos Grammys, no passado domingo, em Los Angeles VALERIE MACON/AFP/Getty Images

Minutos depois, já em frente aos fotógrafos, surgiu um segundo vestido, até aí guardado sob o primeiro. O padrão imitava os tijolos de uma parede e, nas costas, a frase “Constrói o muro”. “É nisto que acredito. Acredito no Presidente. Acabei de lançar um álbum chamado Home Sweet Home [Lar Doce Lar] e é sobre o meu amor pela América. Com o arame farpado, estou só a divertir-me”, admitiu Villa à revista Variety.

O vestido é da autoria de Desi, um atelier dedicado ao desenhar peças para celebridades. No Instagram, o designer fez uma publicação, horas antes da cerimónia: “Os pontos de vista, pensamentos e opiniões que os meus clientes expressam não são necessariamente os meus”.

Os vestidos usados pela cantora nas duas edições anteriores dos Grammys © Getty Images

Desta vez, foi o “muro” de Trump, uma das medidas mais apregoadas pelo presidente como forma de deter a vaga de imigração proveniente do México, mas esta não foi a primeira vez que Joy Villa usou a moda e a atenção mediática sobre uma passadeira vermelha para expressar posicionamentos políticos. Na última edição dos Grammys, usou um vestido anti-aborto. Branca, a peça tinha estampado o desenho de um feto. Mais uma vez, a mensagem veio na mala: “Escolhe a vida”. Em 2017, o slogan “Make America Great Again” percorreu todo o vestido, ainda com o nome de Donald Trump escrito nas costas.

Ricky Rebel na 61ª edição dos Grammys © VALERIE MACON/AFP/Getty Images

Joy Villa não foi a única a apoiar o presidente através da roupa. Ricky Rebel, um cantor de glam rock, pisou a red carpet com um blusão onde se podia ler “Keep America Great” (Mantenham a América Grande) e ainda “Trump 2020”. Uma blusa, calças e botas de salto alto, tudo branco, completaram o visual do artista, a quem têm sido dirigidas algumas críticas por ser ativista dos direitos LGBT e, em simultâneo, apoiante de Trump.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)