Viral

Grammys: ela vestiu-se como o muro que Trump quer construir

122

A moda foi utilizada por apoiantes das políticas de imigração de Trump nos Grammys. A cantora Joy Villa usou um vestido com a frase "Constrói o muro" e nem o arame farpado lhe faltou.

Chama-se Joy Villa e, no último domingo, aproveitou a passagem pela passadeira vermelha dos Grammys para expressar o seu apoio às políticas anti-imigração de Donald Trump. A cantora e compositora californiana começou por pisar a red carpet com um vestido prateado, arame farpado (ou um material semelhante) sobre os ombros, uma coroa de pregos na cabeça e uma mala com a frase “Make America Great Again” (Façam a América Grande Outra Vez), slogan de campanha do atual presidente dos Estados Unidos.

O vestido de Joy Villa na passadeira vermelha dos Grammys, no passado domingo, em Los Angeles VALERIE MACON/AFP/Getty Images

Minutos depois, já em frente aos fotógrafos, surgiu um segundo vestido, até aí guardado sob o primeiro. O padrão imitava os tijolos de uma parede e, nas costas, a frase “Constrói o muro”. “É nisto que acredito. Acredito no Presidente. Acabei de lançar um álbum chamado Home Sweet Home [Lar Doce Lar] e é sobre o meu amor pela América. Com o arame farpado, estou só a divertir-me”, admitiu Villa à revista Variety.

O vestido é da autoria de Desi, um atelier dedicado ao desenhar peças para celebridades. No Instagram, o designer fez uma publicação, horas antes da cerimónia: “Os pontos de vista, pensamentos e opiniões que os meus clientes expressam não são necessariamente os meus”.

Os vestidos usados pela cantora nas duas edições anteriores dos Grammys © Getty Images

Desta vez, foi o “muro” de Trump, uma das medidas mais apregoadas pelo presidente como forma de deter a vaga de imigração proveniente do México, mas esta não foi a primeira vez que Joy Villa usou a moda e a atenção mediática sobre uma passadeira vermelha para expressar posicionamentos políticos. Na última edição dos Grammys, usou um vestido anti-aborto. Branca, a peça tinha estampado o desenho de um feto. Mais uma vez, a mensagem veio na mala: “Escolhe a vida”. Em 2017, o slogan “Make America Great Again” percorreu todo o vestido, ainda com o nome de Donald Trump escrito nas costas.

Ricky Rebel na 61ª edição dos Grammys © VALERIE MACON/AFP/Getty Images

Joy Villa não foi a única a apoiar o presidente através da roupa. Ricky Rebel, um cantor de glam rock, pisou a red carpet com um blusão onde se podia ler “Keep America Great” (Mantenham a América Grande) e ainda “Trump 2020”. Uma blusa, calças e botas de salto alto, tudo branco, completaram o visual do artista, a quem têm sido dirigidas algumas críticas por ser ativista dos direitos LGBT e, em simultâneo, apoiante de Trump.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Na Caverna da Urgência

António Bento

A principal queixa do homem contemporâneo é a de uma permanente e estrutural sensação de «falta de tempo». Há uma generalização da urgência a todos os domínios da experiência e da existência moderna.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)