Índia

Mais de 100 mortos em quatro dias após consumo de álcool adulterado na Índia

O distrito de Saharanpur é o mais afetado registando cerca de 60 dos mortos. O álcool está a ser analisado e as autoridades afirmam que os componentes serão conhecidos após investigação.

A polícia deteve nos últimos dias cerca de 300 pessoas em Uttar Pradesh, o estado mais populoso da Índia

STR/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Mais de 100 pessoas morreram desde quinta-feira devido ao consumo adulterado de álcool no norte da Índia, onde foram detidas 300 pessoas, numa campanha para combater o flagelo que atinge sobretudo a população mais pobre.

O distrito de Saharanpur, em Uttar Pradesh, é o mais afetado, registando cerca de 60 dos mortos, disse esta segunda-feira à agência de notícias Efe o diretor-geral adjunto da Ordem Pública da Polícia regional, Anand Kumar.

Ao longo de Uttar Pradesh, o estado mais populoso da Índia, com cerca de 200 milhões de habitantes, a polícia deteve nos últimos dias cerca de 300 pessoas, acrescentou a mesma fonte, que especificou que os componentes do álcool adulterado serão conhecidos após a investigação.

Neste momento o licor ilícito está a ser analisado. Eu não posso dizer de forma conclusiva quais são os seus componentes químicos, mas parece que a presença de pesticidas e outros produtos químicos o tornaram tóxico”, concluiu Kumar.

No estado vizinho de Uttarakhand, o distrito de Haridwar registou até agora 26 mortes em resultado das bebidas adulteradas, fabricadas numa aldeia fronteiriça no distrito de Saharanpur, disse à Efe o presidente da Ordem Pública da Polícia de Uttarakhand, Ashok Kumar.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
CDS-PP

O governo merece uma censura /premium

João Marques de Almeida

Se o Presidente, o PM e os partidos parlamentares fossem responsáveis e se preocupassem com o estado do país, as eleições legislativas seriam no mesmo dia das eleições europeias, no fim de Maio. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)