Titanic

O erro histórico que levou James Cameron, o realizador do filme “Titanic”, aos tribunais

122

William McMaster Murdoch, o primeiro oficial do navio RMS Titanic, não morreu como no filme, disse o diretor da "Titanic Foundation". Afinal, foi um herói e não um homem que matou e se suicidou.

O filme "Titanic" valeu 11 óscares ao diretor James Cameron

Paramount Pictures/IMDB

É um clássico do cinema e tem uma das cenas mais trágicas de sempre: “Titanic”, de 1997, retrata a história da viagem do navio RMS Titanic, em 1912, que sofreu um naufrágio e matou cerca de 1500 passageiros. No entanto, o diretor da Titanic Foundation, Jesús Ferreiro, em entrevista ao jornal espanhol ABC, aponta algumas falhas históricas retratadas no filme, nomeadamente na cena da morte de William McMaster Murdoch, o primeiro oficial do navio.

No filme, o marinheiro britânico está rodeado por vários homens, mulheres e crianças que, no decorrer do naufrágio, se encontram desesperados para conseguir entrar num dos botes salva-vidas. Murdoch tenta controlar a quantidade de pessoas que entram nesses barcos para que não excedam o peso que estes aguentam  e assim se afundarem. Com os nervos à flor da pele e perante a desobediência de alguns passageiros, o marinheiro ergue o revólver e dispara contra os mesmos para os impedir de embarcar. Segundos depois, quando se apercebe do que acaba de fazer, aponta a arma à cabeça e suicida-se. No entanto, isto não foi aquilo que realmente aconteceu.

Jesús Ferreiro explicou ao jornal espanhol ABC que a morte de Murdoch está mal contada no filme e que, na verdade, este morreu quando reparou que o bote salva-vidas estava preso por uma corda. Com uma faca cortou-a, só que, impulsionada pelo peso do barco cheio de pessoas, a corda acabou por o “atingir com um duro golpe na cabeça que lhe provocou a morte imediata”.

À esquerda, o marinheiro britânico William McMaster Murdoch. À direita, o ator Ewan Stewart no papel de Murdoch.

Segundo o jornal, a própria sobrinha do marinheiro já tinha, em 2006, processado James Cameron por retratar de forma errada os últimos momentos do tio: “Todos esses factos são falsos e Cameron sabia disso.” Ferreiro acrescenta agora, em declarações ao ABC que Cameron foi forçado a escrever uma carta com um pedido de desculpa por manchar a memória de Murdoch.

Ferreiro recordou ao ABC que os familiares de William Murdoch interpuseram uma ação contra James Cameron nos tribunais britânico e americano que obrigaram Cameron a pagar uma multa e a fazer uma nota de correção.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)