Monumentos

Torre do Tombo contabilizou 18 entradas por incorporação de documentação em 2018

O único depósito foi o Arquivo Valle e Sousa de Menezes (1544-1867), da família ligada à administração do Estado Português da Índia e a João de Castro (1500-1548), cartógrafo e 4.º vice-rei da Índia.

Durante a vigência do protocolo, dependendo do acordado, o ANTT poderá apresentar a documentação em exposições, digitalizá-la, tratá-la e até fazer intervenções de restauro

Autor
  • Agência Lusa

O Arquivo Nacional da Torre do Tombo (ANTT), em Lisboa, registou, no ano passado, 18 incorporações de documentação relativa a áreas desde a esfera familiar à administração pública, entre doações, aquisições e depósitos, revelou o diretor.

O único depósito foi efetuado em março, pelo período de 30 anos, do Arquivo Valle e Sousa de Menezes (1544-1867), de uma família ligada à administração do Estado Português da Índia e a João de Castro (1500-1548), que foi cartógrafo e 4.º vice-rei da Índia.

Em declarações à agência Lusa, o diretor do ANTT, Silvestre Lacerda, esclareceu que foi assinado um protocolo com a família que permite que a documentação seja colocada à consulta dos investigadores. “Ao fim desse tempo, a família pode decidir retirar a documentação, ou o que tem acontecido sistematicamente, renovamos o protocolo”, explicou o responsável.

Durante a vigência do protocolo, dependendo do acordado, o ANTT poderá apresentar a documentação em exposições, digitalizá-la, tratá-la e até fazer intervenções de restauro. No caso de restauro, se os proprietários receberem de volta a documentação, pagam essa intervenção especializada, explicou.

Até agora, o que tem acontecido, e porque as famílias acabam por achar que a documentação é de tal forma importante que deve continuar acessível ao público, a maioria, findo esse período, passam a doação”, disse Silvestre Lacerda.

Noutros casos, regressam ao local original como aconteceu com o arquivo relativo à casa ducal de Palmela. “Durante o período em que o Palácio de Calhariz esteve em obras o arquivo da Casa Palmela esteve depositado aqui no ANTT”, contou.

Questionado sobre quem pode propor a entrega da documentação familiar ou outra ao ANTT, Silvestre Lacerda referiu que tem havido “a preocupação de diversificar, de ter aqui o conjunto ou uma parte significativa do conjunto da sociedade portuguesa, portanto [há] desde famílias com uma tradição mais longa, a outras de uma tradição mais recente”.

No ‘site’ do ANTT — www.antt.dglab.gov.pt — está disponível um documento que estipula a aplicação dos critérios para a aquisição de bens arquivísticos a serem incorporados no ANTT ou nos arquivos distritais, se forem de um âmbito regional.

Os critérios têm a ver com a “importância social“, a “abrangência territorial” ou a “notoriedade” por intervenção em quaisquer acontecimentos sociais ou políticos, de acordo com a lei de bases do património cultural.

“Não recusamos, liminarmente, qualquer tipo de abordagem que nos façam dessas mesmas famílias”, sentenciou.

Entre a documentação incorporada, no ano passado, está uma doação de duas caixas com documentos e fotografias (1890-1942) da família Anjos Vaz, relativos à organização económica e administração de propriedades rurais. Outra doação foi constituída por dois dossiês com documentos de 1799 a 1948 da família Novais Castilho, ligada à atividade de despachantes oficiais e à navegação no porto de Lisboa.

Relativo ao porto da capital, o ANTT recebeu por doação de um particular 75 livros referentes ao “Registo de Entradas de Navios” (1880-1973).

Além de doações, o ANTT adquiriu, em dezembro último a um particular, 12 caixas com cerca de 4 mil documentos, que incluíam a correspondência trocada entre o diplomata João Camelo Lampreia e várias figuras da política e das culturas portuguesa e brasileira (1883-1922).

Outra aquisição feita é constituída por cartas de Teresa de Sousa Holstein, filha do duque de Palmela, para o seu futuro marido, o conde de Vila Real, José Luís de Sousa, e um pergaminho do século XV, sobre a vila de Óbidos.

As 34 cartas inéditas que constituem o lote foram escritas entre 1 de janeiro e 9 de abril de 1820, quando o conde se encontrava em Madrid como enviado extraordinário e plenipotenciário.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)