Rússia

Ursos polares invadem ilha russa e “perseguem várias pessoas”

347

Dezenas de ursos polares famintos acabam de chegar ao arquipélago russo de Nova Zembla. Entram nos prédios, vasculham no lixo e assustam os residentes. As autoridades já admitem abatê-los.

PAUL ZINKENAFP/Getty Images

Há uma invasão de ursos polares famintos no arquipélago russo de Nova situado no Oceano Árctico. A notícia é avançada pelo The Guardian, que publicou um vídeo onde se pode ver estes animais a alimentarem-se em depósitos de lixo, bem como a entrar em apartamentos. As autoridades ambientais russas já declararam estado de emergência e chamaram especialistas a intervir de forma a retirar os ursos polares que estão a rodear as pessoas que vivem no local.

Apesar do aspeto fofinho dos animais, os cidadãos de Nova Zembla estão preocupados e assustados com a invasão dos ursos polares. O próprio responsável das autoridades locais, Zhigansha Musin, revela ao jornal britânico que “nunca houve uma invasão de ursos polares como esta”, salientando que os animais “estão a perseguir várias pessoas”.

A população também tem partilhado alguns vídeos e imagens através das redes sociais, nos quais se pode ver alguns dos ursos a procurar comida entre depósitos de lixo:

Com o gelo do Ártico a diminuir, devido às alterações climáticas, os ursos polares são levados a mudar os seus hábitos de caça e passam mais tempo em terra à procura de comida, levando a que mais facilmente entrem em conflito com humanos. As autoridades de Nova Zembla registaram casos de ataques a pessoas e de invasão de edifícios, de acordo com informações citadas pela BBC. O vice-diretor da administração local, Alexander Minayev, acrescentou em declarações ao The Guardian: “As pessoas estão com medo de sair de casa. Os pais não estão dispostos a ir levar os seus filhos à escola ou à creche.”

Apesar de o abate de ursos polares ser proibido por lei na Rússia, pelo facto de estes animais serem classificados como uma espécie em vias de extinção, as autoridades já admitiram esse cenário para garantir a segurança da população. Esta medida só será aplicada se as tentativas de deslocação dos ursos não resultarem.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)