Estados Unidos da América

Washington não procura abafar caso do jornalista saudita Khashoggi

O secretário de estado de EUA, Mike Pompeo, afirma que a administração "trabalha com diligência" e "continuará a pedir contas a todos os responsáveis".

JIM LO SCALZO/EPA

Washington não procura abafar o dossiê do assassínio do jornalista saudita Jamal Khashoggi e “trabalha com diligência” no caso, assegurou esta segunda-feira o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

“Os Estados Unidos não abafam um assassínio”, declarou Pompeo em resposta a jornalistas durante uma deslocação a Budapeste.

O Presidente norte-americano, Donald Trump, ignorou um apelo do Congresso para se pronunciar sobre o papel no caso do príncipe herdeiro da Arábia Saudita, Mohammed bin Salman.

O Congresso tinha dado a Trump até sexta-feira para tomar uma posição, mas o Presidente recusou o ultimato, tendo os seus próximos evocado a “separação de poderes”.

A administração norte-americana “trabalha com diligência” no dossiê e “continuará a pedir contas a todos os responsáveis” em função dos elementos de que dispõe, disse Pompeo.

Khashoggi foi assassinado no início de outubro no consulado da Arábia Saudita em Istambul por um comando vindo de Riade. O caso mergulhou a Arábia Saudita numa grave crise diplomática e manchou a reputação do príncipe herdeiro, que é acusado por responsáveis norte-americanos e turcos de ter ordenado a morte do jornalista.

O Senado já deliberou considerar Mohammed bin Salman responsável pelo assassínio do jornalista e vários senadores Democratas e Republicanos apresentaram um projeto de lei para proibir a venda de armas à Arábia Saudita, como retaliação por esse caso.

A questão embaraça a administração norte-americana, preocupada com a preservação da sua aliança estratégica com o reino saudita.

O ministro dos Negócios Estrangeiros saudita, Adel al-Jubeir, disse na sexta-feira em Washington que o seu governo não aceitará que os Estados Unidos investiguem a culpa do príncipe herdeiro no assassínio de Khashoggi. Jubeir considerou que aquela é “uma linha vermelha”, reafirmando não existirem provas da culpa de Mohammed bin Salman no crime.

Pompeo, que efetua uma visita à Europa central, deve encontrar-se esta segunda-feira com o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, e é esperado na Eslováquia na terça-feira, deslocando-se depois à Polónia, onde na quarta-feira e na quinta-feira decorre uma conferência dedicada à segurança no Médio Oriente.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)