Rádio Observador

Angola

Angola deverá crescer 2% este ano depois de recessão de 1% em 2018, segundo a S&P

A agência de notação financeira passa, no entanto, a Perspetiva de Evolução da economia de Estável para Negativa, mantendo o rating em "lixo", abaixo do nível de recomendação de investimento.

O relatório acompanha a publicação da decisão da S&P de piorar a Perspetiva de Evolução da economia de Angola de Estável para Negativa

JUSTIN LANE/EPA

A agência de notação financeira Standard & Poor’s considera que a economia de Angola vai crescer 2% este ano, acelerando depois para uma média de 3%, ultrapassando a recessão de 1% em 2018, que durava desde 2016.

“Estimamos que a atividade económica se tenha contraído 1% em 2018, motivada pelo declínio da produção de petróleo, depois de contrações de 2,6% em 2016 e de 0,1% em 2017”, lê-se no relatório que acompanha a divulgação da decisão da S&P de piorar a Perspetiva de Evolução da economia de Estável para Negativa, mantendo o rating abaixo do nível de recomendação de investimento.

A decisão é justificada principalmente pela significativa subida dos níveis de dívida pública de Angola nos últimos anos, não só pelo endividamento propriamente dito, que só em 2018 chegou a 12 mil milhões de dólares, mas também pela desvalorização do kwanza, o que teve um impacto direto no nível de dívida pública em função do PIB.

“O kwanza caiu 46% em 2018 no seguimento da liberalização de janeiro desse ano da taxa de câmbio e consequente depreciação, e incorporámos nas nossas previsões uma queda adicional de 7% este ano, o que deverá provavelmente manter a inflação relativamente alta”, nos 15% este ano, lê-se no documento.

Na análise, a S&P estima que as reformas lançadas pelo Presidente João Lourenço continuem, principalmente depois do acordo com o Fundo Monetário Internacional, o que deverá “sustentar uma aceleração do crescimento económico para 3% a médio prazo”.

Sobre o petróleo, que “continua a ter um papel muito dominante na economia de Angola”, os analistas da S&P liderados por Ravi Bathia assumem que o preço médio por barril descerá para 55 dólares neste e no próximo ano, o que compara com um valor à volta dos 72 dólares no ano passado, o que prejudica as finanças de Angola, que dependem do crude para 25% do PIB, 95% das exportações e 65% da receita fiscal no ano passado.

“A produção petrolífera caiu cerca de 8% para 1,5 milhões de baris por dia, no ano passado, comparado com os 1,6 milhões de 2017, devido a alguns problemas técnicos e à maturação dos poços petrolíferos, e o setor não petrolífero também cresceu menos do que o esperado”, nota a S&P.

No relatório, a agência de rating anuncia ter revisto em baixa a Perspetiva de Evolução da economia de Angola, de Estável para Negativa, devido ao “significativo aumento” da dívida pública, e manteve o rating em ‘lixo’.

“A dívida pública de Angola em percentagem do PIB aumentou significativamente em 2018, em parte devido ao impacto da forte depreciação do kwanza no volume de dívida pública em moeda estrangeira”, lê-se na nota que acompanha a divulgação da decisão, que mostra uma subida da dívida pública para os 87% em 2018, descendo ligeiramente para 85,7% este ano.

“Estamos a rever a Previsão de Evolução da economia de Estável para Negativa e mantemos o rating da dívida soberana de longo e curto prazo em B- e B; a Previsão de Evolução negativa reflete a possibilidade de uma descida [do rating] se o alto peso da dívida pública tornar as necessidades de financiamento insustentáveis, ou se as pressões orçamentais ou externas levarem a défices gémeos mais prolongados que o previsto”, dizem os analistas da S&P.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)