Ministério da Economia

Ministro da Economia: é preciso continuar a intensificar o apoio ao investimento

149

Pedro Siza Vieira afirma que Portugal "viveu anos muito intensos de destruição de capital pelos fenómenos que conhecemos, o apoio ao investimento tem que ser muito significativo".

Pedro Siza Vieira salientou também que as famílias continuam a reduzir o nível de endividamento

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O ministro da Economia defendeu esta terça-feira que é preciso “continuar a intensificar o apoio ao investimento” e sublinhou que aumentar a produtividade “é essencial” para criar emprego de qualidade e subir salários, “uma batalha que tem de ser de todos”.

Pedro Siza Vieira falava no almoço da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola, que decorreu esta terça-feira em Lisboa.

No final do almoço, o ministro Adjunto e da Economia respondeu a algumas questões colocadas por participantes no evento, tendo afastado o cenário de um referendo sobre a regionalização e destacado o esforço das empresas e das famílias em reduzir o nível de endividamento, apontando também a “intolerância” perante a corrupção.

Apesar do crescimento do investimento estar a ser muito significativo, ele não foi sequer suficiente para repor a depreciação de capital que se verificou durante esta década e, portanto, claramente temos que continuar a intensificar o apoio ao investimento”, considerou o governante.

Por isso, “num país que tem pouca poupança, num país que viveu anos muito intensos de destruição de capital pelos fenómenos que conhecemos, o apoio ao investimento tem que ser muito significativo”, defendeu.

Pedro Siza Vieira salientou também que as famílias continuam a reduzir o nível de endividamento. “Ouvimos falar muito do crescimento dos fluxos do crédito à habitação, ao consumo, mas a verdade é que os fluxos de crédito novo são ainda inferiores à redução do endividamento das famílias. As famílias continuam a fazer um esforço muito intenso de redução do seu endividamento”, apontou.

Além disso, “as empresas estão a reduzir também o seu endividamento, fizeram grande esforço de redução do endividamento”, sublinhou o ministro com a pasta da Economia, considerando que Portugal “está numa situação em que a redução da dívida pública tem que continuar a ser uma prioridade da política financeira do Estado”.

“E é isso que, pelo menos enquanto este Governo for Governo, continuará a fazer”, garantiu.

O ministro contou ainda um episódio com um investidor que contava que apostava em Portugal porque os salários no país eram baixos.

“E a ironia cruel desta conversa é esta: a melhor mão-de-obra da Europa não pode ser mais bem remunerada”, comentou o governante.

“Isto é um problema terrível porque também significa que os nossos melhores trabalhadores vão para fora, emigram”, por isso “se não conseguimos trabalhar nos vários custos de contexto, se não conseguirmos aumentar a produtividade, nós não vamos conseguir pagar melhores salários, nós não vamos reter aquilo que é o nosso maior ativo que é a mão-de-obra”, apontou Pedro Siza Vieira.

Este trabalho de crescimento da produtividade “é essencial para conseguirmos criar emprego de qualidade e para conseguirmos subir os salários, que é uma batalha que tem de ser todos”, rematou.

Aquilo que vemos é que, entre os 28 países da União Europeia, Portugal está em 13.º lugar entre os menos corruptos, acima de nós estão os países do norte da Europa Ocidental, abaixo de nós estão todos os países da Europa do sul e todos os países da Europa de Leste, tirando a Estónia”, salientou, quando falava de corrupção.

“Portanto, o que é que acho que é importante nós dizermos: Temos de continuar a ser absolutamente exigentes e intolerantes, cada vez mais intolerantes, àquilo que são práticas menos transparentes, à informalidade administrativa e tudo aquilo que propicia a corrupção”, sublinhou o ministro.

Na sua intervenção inicial, o governante destacou que “Portugal está num momento em que se apresenta na Europa e no mundo com confiança nas mudanças por que o país passou”.

“Passámos momentos de grande dificuldade, mas soubemos atravessá-lo e sair dele com outro tipo de dinamismo e de capacidade, estamos estruturalmente capacitados e estamos irmanados com Espanha neste mesmo momento económico e também numa perspetiva comum sobre qual deve ser o futuro da Europa e do mundo para enfrentarmos os desafios que inevitavelmente se vão colocar”, considerou Pedro Siza Vieira.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)