Moçambique

Moçambique. Governo aprova pacote legislativo para descentralização do poder nas províncias

O pacote legislativo prevê que, a partir das eleições deste ano, os governadores provinciais passem a ser eleitos, em vez de serem nomeados pelo poder central.

A campanha eleitoral deverá terminar um dia antes da eleição, em vez acabar com dias de antecedência, tal como consta da lei atual

ANTÓNIO SILVA/LUSA

O governo moçambicano anunciou esta terça-feira um pacote legislativo de descentralização, que permite a eleição dos 11 governadores provinciais, a aplicar nas eleições gerais do dia 15 de outubro, cumprindo um acordo com a oposição.

Uma vez aprovados pelo Conselho de Ministros, os projetos de lei seguem o procedimento normal”, o debate na Assembleia da República, disse Ana Comoana, porta-voz do Conselho Ministros.

O pacote inclui as leis de funcionamento dos órgãos de governação descentralizada provincial, de organização e funcionamento das assembleias provinciais, de representação do Estado na província e de tutela do Estado sobre as entidades descentralizadas.

As propostas surgem no âmbito de entendimentos entre o presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e o antigo líder da Resistência Nacional Moçambicana, Afonso Dlhakama, com vista à assinatura de um acordo de paz para o país.

A porta-voz indicou aos jornalistas, em conferência de imprensa, após a reunião do Conselho de Ministros desta terça-feira, algumas das principais novidades a propor ao parlamento.

O pacote legislativo prevê que, a partir das eleições deste ano, os governadores provinciais passem a ser eleitos, em vez de serem nomeados pelo poder central. Passará a liderar a província o cabeça da lista da força mais votada na eleição para a assembleia provincial, órgão que ganhará poderes alargados e ao qual o governador deverá prestar contas. A assembleia provincial terá o poder de demitir o governador, em certas circunstâncias.

A designação de “governo provincial” deverá ser alterada para “conselho executivo provincial”, refletindo o facto de deixar de ser uma representação do governo central para se transformar num “órgão descentralizado com autonomia própria”, aos níveis administrativo, financeiro e patrimonial, referiu a porta-voz do Conselho de Ministros.

Por outro lado, o pacote de leis prevê a criação do cargo de secretário de Estado na província, nomeado pelo Presidente da República, ao qual caberão competências exclusivas para executar funções de Estado, bem como supervisionar serviços estatais a nível provincial.

“Em geral, esta proposta de lei [de representação do Estado] estabelece as regras de organização, funcionamento e supervisão dos serviços do Estado que não estão no âmbito do conselho executivo provincial”, disse.

Ao secretário de Estado na província caberá, por exemplo, o poder tutelar sobre as autarquias locais, disse Ana Comoana.

Entre outros detalhes, a campanha eleitoral deverá terminar um dia antes da eleição, em vez acabar com dias de antecedência, tal como consta da lei atual.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)