Animais

Os animais selvagens passam a ser proibidos no circo

11.635

O Presidente da República promulgou a lei que afasta do circo animais como macacos, elefantes, tigres, leões, ursos, focas, crocodilos, pinguins, hipopótamos, rinocerontes, serpentes e avestruzes.

O Governo terá agora de criar o Cadastro Nacional de Animais Utilizados no Circo e definir qual será a entidade sua responsável

AFP/Getty Images

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou esta segunda-feira “o diploma da Assembleia da República que reforça a proteção dos animais utilizados em circos, nomeadamente quanto à sua detenção, e determina o fim da utilização de animais selvagens”, informa em nota o site da presidência. O texto proíbe de uma série de animais selvagens, nomeadamente macacos, elefantes, tigres, leões, ursos, focas, crocodilos, pinguins, hipopótamos, rinocerontes, serpentes e avestruzes.

O diploma prevê o registo  obrigatório no Cadastro Nacional de Animais Utilizados no Circo, sendo que competirá ao Governo definir qual a entidade que efetuará o registo e tratamento desses dados.  O diploma prevê ainda um período transitório de seis anos ao fim do qual a utilização destes animais é punida com coimas estabelecido no artigo 14º do decreto-lei 255/2009, que em casos de pessoas singulares pode incidir numa multa de 250 euros a 3.740.

Ao Observador, Cristina Rodrigues, da Comissão Política Nacional do PAN, explicou que a partir de agora todos os animais, selvagens ou não selvagens, deverão ser cadastrados. Ainda relativamente aos animais selvagens, em consequência desta proibição, os animais vão ser encaminhados através de associações nacionais e internacionais para abrigos o mais parecidos possível com o seu habitat natural.

Cristina Rodrigues sublinhou também que apesar de a entidade responsável pelo cadastro dos animais ainda não ser conhecida será uma das duas associações: Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) ou a Direção-geral de Alimentação e Veterinária.  De modo, a que as pessoas “não se sintam desconsideradas” durante o período de transição haverá também apoios fornecidos pelas associações. Segundo Cristina Rodrigues, em Portugal há perto de mil animais selvagens nos circos, contabilizando com reptéis e aves.

O diploma foi aprovado na Assembleia da República no final de outubro com os votos do PS, PSD, BE, PEV e PAN, e contou com os votos contra do CDS e com a abstenção do PCP e do deputado centrista João Rebelo. O texto final foi aprovado a 25 de outubro no grupo de trabalho sobre participação de animais em circos e ratificado na Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, reunindo as propostas de alteração do PAN, PS e BE, que tinham apresentando em dezembro de 2017, a par do PCP e do PEV e projetos-lei que ‘baixaram’ à especialidade.

De acordo com o diploma, as referências a animais selvagens “reportam-se exclusivamente aos espécimes das espécies incluídas nas listas”, constantes de dois anexos de uma portaria de março relativa à proibição ou condicionamento da detenção de animais vivos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)