Animais

Os animais selvagens passam a ser proibidos no circo

11.635

O Presidente da República promulgou a lei que afasta do circo animais como macacos, elefantes, tigres, leões, ursos, focas, crocodilos, pinguins, hipopótamos, rinocerontes, serpentes e avestruzes.

O Governo terá agora de criar o Cadastro Nacional de Animais Utilizados no Circo e definir qual será a entidade sua responsável

AFP/Getty Images

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, promulgou esta segunda-feira “o diploma da Assembleia da República que reforça a proteção dos animais utilizados em circos, nomeadamente quanto à sua detenção, e determina o fim da utilização de animais selvagens”, informa em nota o site da presidência. O texto proíbe de uma série de animais selvagens, nomeadamente macacos, elefantes, tigres, leões, ursos, focas, crocodilos, pinguins, hipopótamos, rinocerontes, serpentes e avestruzes.

O diploma prevê o registo  obrigatório no Cadastro Nacional de Animais Utilizados no Circo, sendo que competirá ao Governo definir qual a entidade que efetuará o registo e tratamento desses dados.  O diploma prevê ainda um período transitório de seis anos ao fim do qual a utilização destes animais é punida com coimas estabelecido no artigo 14º do decreto-lei 255/2009, que em casos de pessoas singulares pode incidir numa multa de 250 euros a 3.740.

Ao Observador, Cristina Rodrigues, da Comissão Política Nacional do PAN, explicou que a partir de agora todos os animais, selvagens ou não selvagens, deverão ser cadastrados. Ainda relativamente aos animais selvagens, em consequência desta proibição, os animais vão ser encaminhados através de associações nacionais e internacionais para abrigos o mais parecidos possível com o seu habitat natural.

Cristina Rodrigues sublinhou também que apesar de a entidade responsável pelo cadastro dos animais ainda não ser conhecida será uma das duas associações: Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) ou a Direção-geral de Alimentação e Veterinária.  De modo, a que as pessoas “não se sintam desconsideradas” durante o período de transição haverá também apoios fornecidos pelas associações. Segundo Cristina Rodrigues, em Portugal há perto de mil animais selvagens nos circos, contabilizando com reptéis e aves.

O diploma foi aprovado na Assembleia da República no final de outubro com os votos do PS, PSD, BE, PEV e PAN, e contou com os votos contra do CDS e com a abstenção do PCP e do deputado centrista João Rebelo. O texto final foi aprovado a 25 de outubro no grupo de trabalho sobre participação de animais em circos e ratificado na Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, reunindo as propostas de alteração do PAN, PS e BE, que tinham apresentando em dezembro de 2017, a par do PCP e do PEV e projetos-lei que ‘baixaram’ à especialidade.

De acordo com o diploma, as referências a animais selvagens “reportam-se exclusivamente aos espécimes das espécies incluídas nas listas”, constantes de dois anexos de uma portaria de março relativa à proibição ou condicionamento da detenção de animais vivos.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)