Acidentes e Desastres

Trabalhador ferido nas minas de Aljustrel continua em estado grave no hospital de Beja

O trabalhador ferido nas minas de Aljustrel encontra-se ainda em estado grave no hospital de Beja, onde foi submetido a uma cirurgia. Homem sofreu um traumatismo torácico grave.

O trabalhador entrou nas urgências do hospital de Beja no início da tarde de segunda-feira e permanece em observação na unidade de cuidados intensivos polivalente

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O trabalhador que ficou ferido no acidente nas minas de Aljustrel, na segunda-feira, continuava esta terça-feira de manhã internado em estado grave no hospital de Beja, onde foi submetido a uma cirurgia, disse à agência Lusa fonte hospitalar.

A fonte do gabinete de comunicação do hospital alentejano adiantou que o homem, de 25 anos, residente em Ervidel, no concelho de Aljustrel, sofreu um traumatismo torácico grave e foi sujeito, ao final da tarde de segunda-feira, a uma intervenção cirúrgica aos membros inferiores.

O trabalhador, que entrou nas urgências do hospital de Beja às 13h30 de segunda-feira, permanecia na manhã desta terça-feira “em observação” na unidade de cuidados intensivos polivalente, indicou a mesma fonte. O acidente provocou também a morte de um outro trabalhador, de 46 anos, cujo corpo foi transportado para o serviço de Medicina Legal do hospital de Beja.

As duas vítimas do acidente nas minas de Aljustrel, no distrito de Beja, trabalhavam na manutenção mecânica a cargo de um empreiteiro e seguiam numa carrinha pick up, que caiu para um fosso com uma profundidade “entre os 30 e os 40 metros”, indicaram à Lusa fontes da GNR e da concessionária do complexo mineiro.

Segundo a Almina — Minas do Alentejo, o acidente ocorreu quando os dois mecânicos da empresa EPDM — Empresa de Perfuração e Desenvolvimento Mineiro circulavam na Mina de Feitais, em Aljustrel.

Em comunicados distintos enviados à Lusa, a Almina e a EPDM — Empresa de Perfuração e Desenvolvimento Mineiro revelaram ter abertos inquéritos de investigação para determinar as causas do acidente. Também a Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) abriu um inquérito para averiguar as circunstâncias em que ocorreu o sinistro, segundo disse à Lusa o diretor da Unidade Local do Litoral e Baixo Alentejo, Carlos Graça.

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) recebeu o alerta às 11h05 e os meios de socorro incluíram um helicóptero, que não chegou a ser utilizado, bombeiros e GNR.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)