Estados Unidos da América

Trump admite adiar tarifas punitivas sobre exportações chinesas

Os EUA tinham dado prazo à China, até ao dia 1 de março, para chegarem a acordo antes de elevar de 10% para 25% as tarifas alfandegárias que aplicam às importações provenientes da China.

As duas partes retomaram o diálogo desde o início do ano, para procurar uma solução durável à guerra comercial desencadeada por Trump, para forçar Pequim a negociar

MICHAEL REYNOLDS/EPA

O Presidente dos EUA, Donald Trump, disse esta terça-feira que poderia conceder à China um prazo suplementar antes de aplicar novas tarifas alfandegárias punitivas, se as negociações sino-norte-americanas em curso para acabar com o conflito comercial bilateral progredirem.

Os EUA tinham dado à China um prazo até ao dia 1 de março para chegarem a acordo, antes de elevar de 10% para 25% as tarifas alfandegárias que aplicam às importações provenientes da China, no montante de 200 mil milhões de dólares (176 mil milhões de euros).

Uma delegação de altos funcionários norte-americanos vai reunir com homólogos chineses para preparar as negociações, que vão decorrer na quinta e sexta-feira, com a presença dos negociadores-chefe de cada parte, Robert Lighthizer e Liu He, na capital chinesa.

Trump adiantou que estava a contar reunir com o Presidente chinês, Xi Jinping, “que respeita e ama muito, para negociar pontos sobre os quais o grupo (negocial) não consiga chegar a acordo”.

As duas partes retomaram o diálogo desde o início do ano, para procurar uma solução durável à guerra comercial desencadeada por Trump, para forçar Pequim a negociar.

Estas discussões incidem sobre um reequilíbrio das trocas comerciais em favor dos EUA, ma também sobre mudanças mais estruturais, como o fim das transferências forçadas de tecnologia ou o desrespeito pela propriedade intelectual.

Os norte-americanos insistem ainda na necessidade de criar um mecanismo que permita verificar a aplicação de um eventual acordo.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Moçambique

A extradição de Chang e o futuro da Frelimo

Manuel Matola

Apesar da complexidade do caso e da gravidade das acusações contra Manuel Chang, uma eventual extradição para Moçambique garantiria de que o processo-crime que corre em Maputo teria uma morte natural.

Governo

A famiglia não se escolhe? /premium

Alberto Gonçalves
248

Se ainda não se restringiu o executivo aos parentes consanguíneos ou afins do dr. Costa, eventualidade que defenderia com empenho, a verdade é que se realizaram amplos progressos na área do nepotismo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)