Turquia

Turquia prende mais de 700 pessoas suspeitas de ligações a Gülen

Pelo menos 729 pessoas suspeitas de ligações ao movimento do clérigo Fethullah Gülen, que Ancara acusa de ser o instigador do fracassado golpe de 2016, foram presas na Turquia.

OLCAY DUZGUN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Pelo menos 729 pessoas suspeitas de ligações ao movimento do clérigo Fethullah Gülen, que Ancara acusa de ser o instigador do fracassado golpe de 2016, foram presas esta terça-feira, na Turquia, anunciou o Ministério Público.

Aquele departamento judicial acrescentou que enviou às autoridades locais de 75 das 81 províncias da Turquia os nomes de 1.112 pessoas suspeitas de ligações com a irmandade religiosa. O balanço anterior apontava para mais de 641 detenções, segundo a agência noticiosa estatal Anadolu.

“Não podemos saber se as pessoas cujos nomes enviamos serão simplesmente convocadas para um depoimento ou detidas”, referiu uma fonte judicial à agência de notícias France-Presse. “Em Ancara [capital da Turquia], prendemos 45 pessoas, mas não sabemos o que será decidido em outras províncias”, salientou a mesma fonte.

O ministro do Interior, Süleyman Soylu, alertou no domingo que uma “nova operação importante” que estava a ser preparada contra os seguidores de Gulen. “Vamos erradicá-los deste país”, frisou.

Dezenas de milhares de pessoas foram presas desde a tentativa de golpe e mais de 140 mil foram demitidas ou suspensas dos seus empregos. As autoridades turcas acusam Gülen de ter criado um “Estado paralelo” com o objetivo de derrubar o Governo turco e de ter sido o cérebro da tentativa de golpe de 15 de julho de 2016.

Fethullah Gülen, exilado nos Estados Unidos desde 1999, tem negado sistematicamente qualquer ligação com o golpe de 2016.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)