Museus

Museu Regional de Beja passa a integrar rede de museus do Ministério da Cultura

O Museu Regional de Beja vai deixar de ser gerido pela Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo e passar a integrar a rede de museus do Ministério da Cultura, em gestão partilhada com a autarquia.

NUNO VEIGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Museu Regional de Beja vai deixar de ser gerido pela Comunidade Intermunicipal do Baixo Alentejo (CIMBAL) e passar a integrar a rede de museus do Ministério da Cultura, numa gestão partilhada com a câmara local.

“Esta é a situação ideal para que o museu seja valorizado como merece, assim como as suas coleções e peças únicas”, defendeu esta quarta feira à agência Lusa o presidente da CIMBAL, Jorge Rosa.

Segundo o responsável, que é também o presidente da Câmara de Mértola, a gestão do Museu Regional Rainha D. Leonor vai transitar da CIMBAL para o Ministério da Cultura, envolvendo uma parceria a estabelecer entre a Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCAlen) e a Câmara de Beja.

“A gestão partilhada vai permitir que o museu usufrua da ligação com o Ministério da Cultura, via direção regional, mas também da visão de proximidade que a Câmara de Beja, que tem a sua própria estratégia para a área cultural, irá aportar”, frisou.

A gestão do Museu Regional de Beja, também designado Museu Rainha D. Leonor, está a cargo da CIMBAL desde maio de 2015, quando a instituição recebeu aquela competência, o património e os funcionários da Assembleia Distrital de Beja.

Segundo a CIMBAL, em comunicado, no decurso do atual mandato “foram realizadas diversas diligências” com o objetivo de “encontrar a melhor solução para a gestão” do museu, “envolvendo as entidades competentes do Ministério da Cultura e a Câmara de Beja”.

“Como resultado das negociações efetuadas, foi assegurada a integração” da instituição “na rede de museus do Ministério da Cultura, consagrando o seu estatuto de museu regional”, disse a CIMBAL, no comunicado.

Tal foi possível, realçou a entidade, devido à aprovação pelo Conselho de Ministros, no dia 07 deste mês, do decreto-lei que aprovou o regime jurídico de autonomia de gestão dos museus, monumentos e palácios.

“O resultado das negociações em curso levou a que o Governo integrasse o nosso museu nesse diploma”, afirmou Jorge Rosa, defendendo ser um passo “muito positivo por diversas razões”.

Uma comunidade intermunicipal, criada, tal como as outras pelo país, para “gerir fundos comunitários”, assinalou, “não tem condições para gerir convenientemente um museu com a dimensão e a importância que este tem”.

“Por isso, decidimos fazer este caminho de transmissão da gestão para uma outra entidade que tivesse essas condições para o gerir melhor e colocá-lo ao serviço da região e para recuperar as suas coleções e peças únicas”, sustentou.

O decreto-lei que enquadra esta transmissão ainda vai ter que ser publicado em Diário da República e, depois, vão ter de ser assinados protocolos entre a CIMBAL e o Ministério da Cultura e, no que respeita à gestão partilhada, entre a DRCAlen e a câmara.

“A transmissão só deverá efetivar-se depois do final de abril”, admitiu, garantindo que, apesar desta mudança de gestão, a riqueza do museu vai permanecer em Beja.

“O museu nunca sairá da cidade e as suas coleções são pertença dos concelhos que compõem o distrito e também nunca vão sair daqui. Vai é ser possível trabalhar na sua valorização”, assegurou.

Instalado no Convento de N. Sra. da Conceição, propriedade do Estado, o museu tem um vasto e valioso acervo, que vai desde a pré-história até à atualidade, destacando-se as suas coleções de arqueologia, pintura, azulejaria, cerâmica, ourivesaria, escultura, numismática, metrologia e ferragens.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)