Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Goste-se ou não da tecnologia que prescinde do condutor, a realidade é que, mais cedo ou mais tarde, ela vai estar disponível. A circulação em cidade ainda é uma ‘dor de cabeça’ monumental para os sistemas de condução autónoma, mas rodar em auto-estrada é uma tarefa relativamente mais simples. E, se não fosse a ausência de comunicação entre a via e os veículos – informando-os da aproximação de obras, acidentes ou anomalias similares – os carros sem condutor, nestas condições específicas, já hoje poderiam ser uma realidade.

Conscientes disso, os chineses da Changan Automobile candidataram-se a inscrever o seu nome no Guinness World Records, organizando o maior desfile de automóveis autónomos. Para tal, reuniram 55 unidades do SUV Changan CS55, formaram um comboio e deslocaram-se a 30 km/h durante uma volta ao circuito de testes, com 3,2 km de perímetro.

Porque a confiança no sistema ainda deve ser limitada, os chineses fizeram questão em que condutores sem qualquer experiência com este tipo de tecnologia estivessem ao volante, ainda que sem lhe tocar e apenas como medida de segurança. E todos cumpriram, excepto um, que por isso mesmo foi desclassificado.

Embora a volta tenha tardado “apenas” 9 minutos e 7 segundos, a Changan transformou o evento num feito galáctico. Contudo, pode não haver razão para tamanha euforia. Basta ver um pequeno vídeo do carro autónomo da Waymo a circular em cidade, sem condutor ou qualquer sistema de segurança que não a tecnologia desenvolvida por esta empresa da Google. Só um pormenor: estas imagens foram recolhidas em 2017…

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR