Mulher

Porto. Mais de cem mulheres manifestam-se com o lema “Parem de nos matar”

Para além da violência contra as mulheres, Patrícia Martins, membro de 'A Coletiva', explica que este foi um "ato simbólico" também contra a desigualdades salariais entre homens e mulheres

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Mais de cem mulheres manifestaram-se esta quinta-feira, sob o lema “Parem de nos matar”, junto ao Tribunal da Relação no Porto, e apelaram para o fim da “violência contra as mulheres” e da “cultura machista que existe em algumas instituições”.

É necessário que as instituições e a população em geral ouçam as mulheres. Basta de violência contra as mulheres e basta de assassinarem mulheres por conta de uma cultura machista”, frisou, em declarações à Lusa, Patrícia Martins, membro de ‘A Coletiva’, associação organizativa.

Ao protesto, que começou em frente ao Metro do Bolhão, juntaram-se mais de cem mulheres, que, munidas de tambores, martelos, apitos e utensílios de cozinha gritavam “Justiça assassina, parem de nos matar” e “Está na hora do machismo ir embora”.

Segundo Patrícia Martins, este foi um “ato simbólico”, que saiu à rua para lutar contra as desigualdades salariais entre homens e mulheres, pelo facto de “ainda serem as mulheres as responsáveis pelas tarefas domésticas” e, porque acredita que tem “de haver um ponto final na violência”.

“É da competência da justiça e das instituições que representa começarem a ser mais efetivos tanto na prevenção como na intervenção das mulheres vítimas de maus tratos”, sublinhou.

Com o objetivo de “apanhar o tribunal ainda aberto”, para que os que lá trabalham “ouçam as mulheres”, os apelos continuavam debaixo do som de tambores e músicas: “Mexeu com uma, mexeu com todas”, “Em mim não bates mais” e “Muitas de nós já não estão aqui connosco, já estão mortas”.

Vasco Santos foi um dos poucos homens que se juntou ao protesto. Em declarações à Lusa afirmou que, enquanto homem, acredita que esta “não é uma luta só de mulheres”, mas sim “de todos”.

“Não podemos ficar á parte, nem de fora. Aliás, nós temos é de sair do papel de agressor e passar a estar do lado do agredido, para que isto acabe. Não pode continuar assim”, salientou, acrescentando que a escolha do local do protesto não foi “ao acaso”.

“Este tribunal (Tribunal da Relação do Porto) é useiro e vezeiro em ter sentenças deste género sobre problemas de machismo. É preciso mudar. Este tribunal passou a ser sinal do machismo e do sistema patriarcal em que vivemos”, frisou.

Já Sofia Fonseca, de 20 anos, e estudante de artes, juntou-se ao protesto porque acredita que é necessário as mulheres “fazerem a propria justiça, para que a justiça seja realmente feita”.

Estamos a olhar para um órgão de justiça, mas também machista, maioritariamente composto por homens que se baseiam na bíblia para tentar justificar um ato de violência numa mulher. É absurdo. É escabroso. Não estamos no século dezanove”, afirmou.

No Porto, foi ao som de “Bella Ciao” que esta manifestação, marcada pela associação ‘A Coletiva’ no âmbito da “grande manifestação” que se vai realizar do Dia Internacional da Mulher, 8 de março, terminou: “Que ser mulher, neste sistema, é estar viva sem viver”, gritavam em conjunto.

Num dia em que havia manifestações marcadas em várias cidades do país, cerca de duas dezenas de pessoas concentraram-se, ao final do dia, na Praça 8 de Maio, em Coimbra, para protestar contra a violência contra mulheres, sendo recordadas as dez vítimas mortais desde o início do ano (nove mulheres e uma criança), com os nomes presos a uma corda, junto à entrada da Igreja de Santa Cruz.

Junto aos nomes, foram sendo presas mensagens deixadas por pessoas que passaram pela concentração, onde se podia ler: “Não fazer nada é ser cúmplice deste crime!”, “Ensinem os homens a respeitar! Não as mulheres a temer!” ou “Amar é respeitar”.

Durante a concentração, jovens de um ‘stand’ de automóveis começaram a distribuir flores pelas mulheres presentes, por ocasião do Dia dos Namorados, o que levou a uma altercação com uma das participantes, que lhes retirou as flores e começou a distribuir pelos homens presentes, atirando as restantes para a fonte da praça, protestando contra o gesto dos jovens, no meio de um evento que procurava assinalar a violência de género.

Para Beatriz Santana, da secção de Coimbra da União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR), o problema da violência de género é tanto cultural como das instituições.

“A cultura depende do que as instituições praticam e vice-versa. Podemos ir desde os ditados populares, que é uma questão cultural, até aos casos mal julgados nos tribunais às más práticas policiais ou à violência contra as mulheres nas instituições. São duas coisas que se relacionam sempre”, vincou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Civilização

A evidência é desprezada?

António Cruz Gomes

Ainda que nascidos transitórios – para viver no mundo, com o mundo e pelo mundo – fomos indelevelmente marcados por uma aspiração transcendental.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)