Nações Unidas

Secretário-geral da ONU preocupado com “frágil” situação na Guiné-Bissau

António Guterres admite progressos advindos da nomeação de um primeiro-ministro de consenso e da formação de um governo representativo, mas mostra-se preocupado com a situação frágil do país.

O secretário-geral da ONU diz que a falta de confiança entre os atores políticos do país e as suas manobras políticas continuam a dificultar o bom funcionamento das eleições

STR/EPA

O secretário-geral da ONU, António Guterres, continua preocupado com a situação “frágil” da Guiné-Bissau, salientando que a desconfiança entre atores políticos e as “manobras políticas” continuam a dificultar o processo eleitoral.

“Apesar dos progressos iniciais realizados entre abril e junho de 2018, incluindo a nomeação de um primeiro-ministro de consenso e a formação de um governo amplamente representativo, a situação na Guiné-Bissau continua frágil”, refere António Guterres num relatório que vai ser analisado pelo Conselho de Segurança da ONU no final de fevereiro.

No relatório, divulgado na página oficial na Internet das Nações Unidas, o secretário-geral da ONU salienta que a “persistente falta de confiança entre os atores políticos na Guiné-Bissau e as manobras políticas a eles associadas continuam a dificultar o bom funcionamento do processo eleitoral”.

“Peço uma vez mais a todos os atores políticos da Guiné-Bissau que deem prioridade ao seu país e aos seus compatriotas e resolvam as suas diferenças através de um diálogo construtivo”, refere António Guterres, sublinhando que isso é essencial para alcançar a estabilidade política.

António Guterres refere que as Nações Unidas continuam disponíveis para ajudar o país, mas que é preciso as “partes interessadas nacionais demonstrarem boa-fé e vontade política para continuar o progresso do país em direção à estabilidade política e institucional”.

“Aqueles que obstruírem o processo eleitoral devem ser responsáveis pelas suas ações”, sublinhou, referindo-se à ameaça da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental, que voltou a admitir a imposição de sanções a quem criasse obstáculos à realização de eleições.

A Guiné-Bissau realiza eleições legislativas a 10 de março, sendo que a campanha eleitoral arranca no sábado e vai decorrer até 8 de março. No relatório, António Guterres recomenda ao Conselho de Segurança a extensão do mandato do Gabinete Integrado para a Consolidação da Paz e Segurança por o período de mais um ano, até fevereiro de 2020. O Conselho de Segurança deverá discutir o relatório do secretário-geral da ONU no final de fevereiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Igreja Católica

Tríptico europeu /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

A Europa do terceiro milénio, perdida a sua identidade cristã, que era a razão de ser da sua unidade e grandeza, é um continente à deriva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)