O presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), Manuel Lemos, defendeu esta quinta-feira que é urgente que o Estado resolva o problema entre os privados e a ADSE e aproveite a disponibilidade do setor social.

É urgente que o Estado resolva o problema com os privados porque nós [Misericórdias] podemos aumentar um bocado a nossa produção, mas não conseguimos resolver o problema das pessoas”, disse Manuel Lemos à agência Lusa.

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas explicou que as misericórdias não conseguem resolver o problema das pessoas em Lisboa, onde “não têm nenhuma capacidade de resposta”.

“Tenho instado as pessoas a sentarem-se lado a lado” para resolver o problema e proteger “os funcionários públicos, as pessoas doentes, que pagam para a ADSE para não irem aos hospitais públicos que não têm capacidade de resposta”, sublinhou.

Manuel Lemos disse que as misericórdias têm “algumas razões de queixa” da ADSE: “Celebramos um acordo com a ADSE há um ano, temos mais hospitais para celebrar protocolos e a ADSE por várias razões ainda não os celebrou”, frisou.

“Já disse ontem [quarta-feira] à senhora presidente da ADSE que tinha muita pena que nós tendo essa capacidade e esta qualidade não pudéssemos colaborar com as pessoas”.

“É verdade que em Lisboa, onde estão mais funcionários públicos, as misericórdias não têm hospitais e a capacidade de resposta é inexistente”, mas há outros locais do país, como no Porto, onde essa capacidade pode ser alargada.

Agora, não se pode dizer que se enviam as pessoas para o setor social “o problema fica resolvido”, porque “não é verdade”.

“O setor privado preparou-se muito bem para isto e, portanto, nós podemos fazer aquilo que fazemos, mas não se julgue que o podemos substituir”, sustentou.

As misericórdias são “complementares do Estado, são instituições de economia social e, nesse sentido, o centro da nossa atividade são os cidadãos e por isso percebemos muito bem o problema dos privados”, disse Manuel Lemos.

Também é preciso que a ADSE olhe um bocadinho para dentro e se organize melhor. Se fizesse acordos connosco hoje também teria mais capacidade de resposta”, rematou.

A ADSE tem estado no centro da atenção mediática e política nos últimos dias, com a suspensão de convenções por parte de dois grupos, a José de Mello Saúde (que gere os hospitais CUF) e o Grupo Luz Saúde.

O conselho de administração do grupo Lusíadas Saúde também anunciou na quarta-feira que está a “analisar opções para a cessação das atuais convenções existentes” com o subsistema público de saúde da ADSE.