Rádio Observador

ADSE

União das Misericórdias pede urgência ao Estado no problema da ADSE com privados

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas explica que as misericórdias não conseguem resolver o problema das pessoas em Lisboa, onde "não têm nenhuma capacidade de resposta".

JOÃO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas (UMP), Manuel Lemos, defendeu esta quinta-feira que é urgente que o Estado resolva o problema entre os privados e a ADSE e aproveite a disponibilidade do setor social.

É urgente que o Estado resolva o problema com os privados porque nós [Misericórdias] podemos aumentar um bocado a nossa produção, mas não conseguimos resolver o problema das pessoas”, disse Manuel Lemos à agência Lusa.

O presidente da União das Misericórdias Portuguesas explicou que as misericórdias não conseguem resolver o problema das pessoas em Lisboa, onde “não têm nenhuma capacidade de resposta”.

“Tenho instado as pessoas a sentarem-se lado a lado” para resolver o problema e proteger “os funcionários públicos, as pessoas doentes, que pagam para a ADSE para não irem aos hospitais públicos que não têm capacidade de resposta”, sublinhou.

Manuel Lemos disse que as misericórdias têm “algumas razões de queixa” da ADSE: “Celebramos um acordo com a ADSE há um ano, temos mais hospitais para celebrar protocolos e a ADSE por várias razões ainda não os celebrou”, frisou.

“Já disse ontem [quarta-feira] à senhora presidente da ADSE que tinha muita pena que nós tendo essa capacidade e esta qualidade não pudéssemos colaborar com as pessoas”.

“É verdade que em Lisboa, onde estão mais funcionários públicos, as misericórdias não têm hospitais e a capacidade de resposta é inexistente”, mas há outros locais do país, como no Porto, onde essa capacidade pode ser alargada.

Agora, não se pode dizer que se enviam as pessoas para o setor social “o problema fica resolvido”, porque “não é verdade”.

“O setor privado preparou-se muito bem para isto e, portanto, nós podemos fazer aquilo que fazemos, mas não se julgue que o podemos substituir”, sustentou.

As misericórdias são “complementares do Estado, são instituições de economia social e, nesse sentido, o centro da nossa atividade são os cidadãos e por isso percebemos muito bem o problema dos privados”, disse Manuel Lemos.

Também é preciso que a ADSE olhe um bocadinho para dentro e se organize melhor. Se fizesse acordos connosco hoje também teria mais capacidade de resposta”, rematou.

A ADSE tem estado no centro da atenção mediática e política nos últimos dias, com a suspensão de convenções por parte de dois grupos, a José de Mello Saúde (que gere os hospitais CUF) e o Grupo Luz Saúde.

O conselho de administração do grupo Lusíadas Saúde também anunciou na quarta-feira que está a “analisar opções para a cessação das atuais convenções existentes” com o subsistema público de saúde da ADSE.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)