Arqueologia

Descoberto em Pompeia um fresco praticamente intacto de Narciso. Estava numa casa luxuosa enterrada nas cinzas do Vesúvio

247

Um fresco de Narciso, que na mitologia grega morreu após apaixonar-se pelo próprio reflexo, foi encontrado em escavações em Pompeia. Estava numa casa decorada com "amor e sensualidade".

Uma escavação numa casa em Pompeia, a cidade italiana sepultada pelas cinzas do vulcão Vesúvio no ano 79, levou à descoberta de um fresco praticamente intacto de Narciso, o caçador que na mitologia grega se apaixonou pelo próprio reflexo. O Parque Arqueológico de Pompeia aproveitou o Dia de São Valentim, celebrado na quinta-feira, para revelar a descoberta, conta o The Guardian. O fresco foi encontrado no átrio de uma casa luxuosa, onde se descobriram várias pinturas eróticas também bem conservadas em novembro do ano passado.

A mitologia grega diz que Narciso era um caçador filho de Cefiso, deus dos lagos, e da ninfa Liríope. Narciso era tão belo que os pais, por conselho do oráculo Tirésias, mantiveram-no longe do próprio reflexo para não ficar condenado a uma curta vida. Narciso era amado graças à sua beleza, mas era tão arrogante que as ninfas pediram à deusa Némesis que o castigasse. Némesis acedeu e condenou-o a apaixonar-se pelo próprio reflexo numa lagoa. Morreu quando caiu dentro de água.

A parede onde o fresco de Narciso foi encontrado estava decorada com cornucópias, desenhos de flores, figuras de animais a lutarem, cupidos alados e imagens de natureza-morta. Ali perto, numa divisão vizinha a essa sala, os arqueólogos já tinham descoberto uma pintura protagonizada pelo deus grego Zeus que, transformado num cisne, seduziu Leda, rainha de Esparta e mulher de Tíndaro. Mas ninguém sabe o que estava no tecto dessa casa, já que ele caiu quando foi atingido por rochas cuspidas pelo vulcão durante a erupção de 79.

Massimo Osanna, arqueólogo e diretor geral do parque, confirmou esta descoberta num comunicado de imprensa e descreveu o átrio onde o fresco de Narciso foi encontrado como estando “decorado com amor e sensualidade”: “A sala inteira está decorada com o tema da alegria de viver, da beleza e da vaidade, que é ainda mais sublinhada pelas figuras das ménades [figuras femininas que seguiam o deus Dionísio] e de sátiros [um ser metade homem e metade bode], que acompanham os visitantes pela parte publica da casa”.

Segundo o arqueólogo, “esta decoração era intencionalmente luxuosa e provavelmente datada dos últimos anos da colónia, como indicado pelo estado de extraordinária preservação das cores”. É que, além do fresco e do quadro de Zeus, os investigadores também encontraram troços de escadas que sugerem que a casa era luxuosa, tinha vários jarros de vidro, oito frascos de ânforas e um funil de bronze no compartimento por baixo das escadas. No átrio estava também uma situla, que é uma espécie de balde, em bronze.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mlferreira@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)