O comissário-geral da Polícia de Ordem Pública da Guiné-Bissau, Celso de Carvalho, anunciou esta sexta-feira que vão ser destacados 6.000 efetivos para garantir a segurança durante a campanha eleitoral.

“Temos previsto para todo o território nacional de seis mil efetivos”, disse o comissário Celso de Carvalho.

Segundo o comissário-geral da polícia, os seis mil efetivos fazem parte de um comando conjunto estabelecido e que já está em funcionamento e que “abarca a Polícia de Ordem Pública, a Guarda Nacional, a Polícia Judiciária, os Serviços de Migração, as Forças e a Ecomib”, força de interposição da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

O comissário Celso de Carvalho pediu também aos cidadãos guineenses e às pessoas envolvidas no processo político para se comportarem com civismo e com respeito pela lei eleitoral.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Esta tem de ser uma eleição exemplar”, afirmou o comissário-geral da Polícia de Ordem Pública, salientando que a divisão deve ser construtiva e “não destrutiva”.

Celso de Carvalho pediu também aos partidos políticos para fazerem chegar ao comissariado nacional da Polícia de Ordem Pública os seus cronogramas dos comícios para planificarem a segurança.

A campanha eleitoral para as eleições legislativas de 10 de março na Guiné-Bissau começa sábado e vai prolongar-se até ao dia 8 de março. Participam no escrutínio, 21 partidos políticos.