Já passaram quase cinco meses desde que o ator Bill Cosby foi encarcerado por causa de três crimes de violação e, segundo declarações do seu porta-voz, Andrew Wyatt, dadas à NBC 10 e citadas pelo El País, está a ser “uma experiência incrível”. Numa entrevista publicada na passada terça-feira, este homem que durante dez anos foi um autêntico braço direito de Cosby deu alguns detalhes sobre o estado de saúde do comediante, a sua rotina diária e o facto da mulher de Cosby ainda não o ter visitado.

“Ele está realmente incrível”, explicou Wyatt sobre o estado do octogenário. “Perdeu peso, está nos 88 quilos”, acrescentou, justificando a perda de peso com a decisão que Cosby tomou de deixar de comer o pão e as sobremesas que lhe dão diariamente na prisão SCI Phoenix, no estado da Pennsylvania. “Também deixou de beber café”, afirmou ainda Wyatt, uma realidade algo irónica já que “a senhora Cosby tentou fazê-lo deixar de beber café durante 55 anos.”

O dia-a-dia do prisioneiro mais famoso desta penitenciária começa cedo, antes das 3h30 da manhã. Mal sai da cama começa a fazer exercício físico na sua cela e só depois vai tratar dos afazeres higiénicos e toma o pequeno-almoço, refeição que, segundo explicou o The New York Times há uns meses, acontece sempre às sete em ponto. Para limitar o consumo de sal, Cosby passa por água todas os alimentos que lhe servem — põe-nos num copo, lava-os e só depois é que os come.

Cosby a ser acompanhado pela polícia depois de ser sentenciado a uma pena de três a dez anos de cadeia.

Paralelamente ao seu regime alimentar peculiar, uma das maiores revelações feitas pelo confidente do histórico comediante é a de que a mulher da ex-estrela norte-americana, Camille Cosby, nunca o foi visitar. À conta disto, e não contando com os advogados , Wyatt é o único que o vê regularmente. “Ele não quer que [Camille] o visite”, declarou. Contudo, isso não quer dizer que não estejam em contacto — de acordo com as declarações deste confidente, o casal fala por telefone cerca de três vezes por dia, sempre em chamadas com uma duração média de três minutos — o máximo permitido na prisão.

Apesar de Cosby não ter companheiro de cela, vários prisioneiros têm-no ajudado a deslocar-se no estabelecimento prisional, algo que é mesmo necessário, tendo em conta a idade avançada do norte-americano e sua cegueira já reconhecida. O seu trato com os restantes prisioneiros é cordial e Wyatt afirma que o ator gosta muito de conversar com eles e de ouvir as suas histórias: “Ele disse-me que, apesar das circunstâncias, está a ser uma experiência incrível.”

Bill Cosby foi sentenciado no passado mês de setembro de 2018 a passar entre três a dez anos na cadeia por drogar e violar Andrea Constand em 2004. Apesar de dezenas de mulheres o terem acusado de crimes idênticos, foi esta ex-funcionária da Universidade de Temple que decidiu combatê-lo em tribunal. “Chegou o momento da justiça, senhor Cosby, tudo isto está a virar-se contra si”, afirmou o juiz Steve O’Neill no momento da condenação. A defesa do humorista anunciou que recorrerá à sentença, já que o próprio negou repetidamente as acusações e argumentou que todas as relações em questão foram consentidas.

Andrea Constand no dia da leitura de sentença de Bill Cosby.

Num comunicado escrito pelo próprio Cosby, divulgado pelo portal noticioso The Blast na passada quarta-feira, o ator afirma que é “um prisioneiro político” e que por isso mesmo não sente “nenhum remorso”. Cosby recorda a investigação de 2005, feita a propósito do mesmo caso e liderada pelo então Procurador-Geral do condado de Montgomery, Bruce Castor, que decidiu não levar a tribunal a celebridade e a ação civil apresentada pela mesma Andrea Constand em 2005 que levou a um pagamento de 3.8 milhões de dólares (3.3 milhões de euros, aproximadamente). O ator assegura que hoje só está nesta situação por causa de “um mau Procurador-Geral” e de um “juiz corrupto que precisava” que Cosby fosse culpado.

“As minhas orientações políticas e a minhas ações para humanizar todas as raças, géneros e religiões trouxeram-me para este lugar rodeado por vedações com arame farpado e a uma sala de ferro e aço”, defende Cosby por escrito. Logo de seguida compara-se a outros “grandes presos políticos” como Martin Luther King Jr. e Nelson Mandela antes de afirmar que “a verdade é poderosa.”