Ciência

Portugal “voltou a ter capacidade de atrair e reter” investigadores

106

O ministro da Ciência afirma que Portugal é "cada vez mais" um destino para obter formação científica. A Fundação para a Ciência e Tecnologia abriu 500 lugares para os investigadores de todo o mundo.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O ministro da Ciência considerou esta sexta-feira que Portugal “voltou a ter capacidade de atrair e reter” investigadores e que o país é “cada vez mais” um destino para obter formação científica, apontando a Iniciativa Quantum como exemplo.

Portugal voltou a ter capacidade de atrair e de reter investigadores e isso faz parte de participarmos cada vez mais em novas áreas de conhecimento e de promovermos instituições como o Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia (INL)”, afirmou Manuel Heitor, em Braga, onde presidiu à assinatura de um protocolo entre a Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT) e aquele centro de investigação.

Segundo o ministro, Portugal é “cada vez mais” reconhecido como um país formador, apontando o último concurso para investigadores da FCT.

“Foi bem claro, a FCT abriu 500 lugares e 100 dos 500 são investigadores de todo o mundo, particularmente de França, Alemanha, Itália e Espanha que vieram para Portugal”, enumerou.

Sobre a Iniciativa Quantum Portugal, o governante salientou que aquela é um “pequeno passo” para colocar o INL e Portugal em lugar de destaque.

O que estamos aqui a dar é um pequeno passo para atrair mais estudantes para estudarem estes fenómenos [da Física Quântica], que podem ir desde as comunicações à forma de fazer ‘software’, à forma de desenvolver produtos na área farmacêutica, é uma área nova de explorar princípios básicos da Física com diferentes aplicações”, explicou.

Para Manuel Heitor, “Portugal tem de ter capacidade para poder estar numa sociedade moderna e já deu muitos exemplos a explorar novas áreas”.

A Iniciativa Quantum Portugal quer tornar o país “competitivo e formar estudantes de doutoramento na área da ciência e tecnologia quântica”, tendo criado um programa especial constituído por 24 bolsas de doutoramento no campo da Ciência e Tecnologia Quântica, que irá ser gerido pelo Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia.

“Queremos explorar as capacidades únicas do INL a nível europeu para explorar a Física Quântica e, por isso, esta estratégia faz parte de uma outra para reforçar o INL na Europa, trazendo estudantes de todas as universidades a fazerem parte dos seus doutoramentos no INL”, acrescentou o ministro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)