O empresário britânico diz que vai ser um “concerto histórico”. De acordo com o El Mundo, o espetáculo em Cúcuta, na Colômbia, patrocinado pelo empresário britânico contará com a presença de figuras internacionais: o objetivo é apoiar a entrada de ajuda humanitária na Venezuela. Branson quer angariar 100 milhões de dólares (cerca de 89 milhões de euros) em 60 dias.

A Venezuela está a atravessar uma crise socioeconómica desde 2013. Branson culpa o regime de Nicolás Maduro que, segundo o empresário, “se se recusa a permitir que a ajuda entre no país”. E acrescenta ainda que se deve “romper o impasse ou muitos venezuelanos ficarão à beira da fome e da morte”. Branson explicou num vídeo, feito para a agência de notícias Venepress, que o presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, e o líder da oposição Leopoldo López, pediram a ajuda do fundador do grupo Virgin.

O concerto na cidade colombiana na fronteira com a Venezuela acontece dia 22 de fevereiro. Já foram revelados os nomes dos anfitriões e de alguns dos artistas. Alejandro Sanz vai estar presente. O cantor espanhol defende a causa democrática na Venezuela há cerca de uma década. Richard Branson, citado pelo El Universal, afirma que o concerto vai ter uma “maravilhosa programação de artistas internacionais e regionais”. Quase como que um novo Live Aid para os venezuelanos.