Todos nos lembramos das actualizações de software que permitiram aos condutores dos Tesla usufruírem de lareira virtual a bordo, simulador de traques e uma série de outros sistemas que visam apenas entreter e divertir. Mas estas novas funções, que são adicionadas over-the-air (OTA), ou seja, através de ligação à fábrica via Internet, nem sempre são para rir ou brincar com o passageiro do lado.

Nos últimos tempos, nos EUA, têm sido frequentes os casos de vandalismo dos Tesla, para roubo dos bens no interior, com os ladrões a visarem especificamente os proprietários deste tipo de veículos. Em simultâneo, também os donos de animais de estimação, maioritariamente cães, andam na berlinda, depois de muitos condutores se terem esquecido deles no interior dos veículos fechados, sob um calor intenso, o que resultou na morte dos animais.

Estes condutores inconscientes têm provocado alguns dissabores entre os donos de animais responsáveis, aqueles que deixam os cães nos carros apenas por cinco minutos, para ir rapidamente comprar o jornal ou tomar um café. Qualquer transeunte que passe, fã da bicharada, arvora-se no direito de partir o vidro, arrombar o veículo e salvar o animal, ainda que não sejam conhecidos muitos casos em que o cão seja Pit Bull, Boxer ou Pastor Alemão.

Para evitar uma situação e outra, a Tesla aproveitou o seu sistema OTA – que criou e continua ainda a ser a única a utilizar –, para tentar minimizar os danos. A pensar nos ladrões, concebeu o modo “sentinela” (Sentry Mode), que recorre às câmaras dos modelos para controlar quem se aproxime com intenções alegadamente duvidosas. Se alguém se encostar ao veículo, o Tesla detecta a acção e avisa a pessoa. No ecrã central surge uma mensagem informando-o que está a ser observado e que agradecia que não se encostasse. Se a ameaça for mais evidente, o carro acciona o alarme, aumenta ao máximo a luminosidade do ecrã central e põe a música a tocar no volume máximo. Simultaneamente, envia mensagens para o dono através da app, além de gravar todas as imagens recolhidas pelas câmaras que servem o Autopilot. O Sentry Mode já começou a ser enviado para todos os Model 3, sendo de seguida disponibilizado também para os Model S e X.

Para a protecção dos donos dos canídeos, a Tesla desenvolveu um sistema mais soft, denominado Dog Mode. Sempre que se ausenta por poucos minutos, e o animal fica dentro do carro com esta solução accionada, surge no ecrã central a informação de que o dono regressará em breve e que não há razões para preocupação. É igualmente indicado que o sistema de ventilação está ligado e qual a temperatura interior, para que os cidadãos preocupados não partam o vidro para resgatar o bicho, que está ali bem sentadinho e ao fresco.