França

Milhares contra Macron nas ruas de França embora menos que noutros sábados

Milhares de "coletes amarelos" participaram em pelo menos vinte cidades de toda a França -- no décimo quarto fim de semana consecutivo de protestos dirigidos contra a política do presidente Macron.

JULIEN DE ROSA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Milhares de “coletes amarelos” participaram este sábado, em pelo menos vinte cidades de toda a França, no décimo quarto fim de semana consecutivo de protestos dirigidos muito particularmente contra a política do Presidente Emmanuel Macron.

Segundo o Ministério do Interior, às 14:00, hora local (13.00 GMT), estavam na rua 10.200 manifestantes, um número ainda assim inferior aos 12.100 que foram contabilizados no sábado passado, à mesma hora.

No final do dia, há uma semana, o departamento de Interior disse que tinha havido 51.400 “coletes amarelos” a manifestarem-se nas ruas, mas os organizadores rebateram estes números e disseram que tinham sido 118.200.

Em Paris, segundo as forças da ordem, a concentração reunia hoje, às 14:00, 3.000 pessoas (1.000 menos que uma semana antes), houve poucos incidentes e os que existiram foram de pouca gravidade durante a manifestação.

A situação começou, porém, a mudar às 16:00 (15:00 GMT) na esplanada dos Inválidos, o lugar onde deveria dissolver-se a concentração, com confrontos de alguns com os agentes anti-distúrbios que lançavam gases lacrimogénios.

A manifestação tinha começado pouco despois do meio dia à volta do Arco do Triunfo e, perante a impossibilidade de serem percorridas a avenida dos Campos Elíseos em direção ao Palácio do Eliseu e à Praça da Concórdia (porque o acesso estava cortado com barreiras policiais), continuou seguindo as margens do rio Sena.

Percorreu igualmente algumas avenidas do Bairro Latino e do distrito VII, até chegar à esplanada dos Inválidos.

Nos cartazes dominavam as mensagens a exigir a demissão do presidente Macron, mas também algumas contra a “violência policial” e contra os impostos.

Durante o desfile houve momentos de tensão, como os que aconteceram junto ao Jardim do Luxemburgo, quando um pequeno grupo de manifestantes partiu a montra de um McDonald’s.

Fora de Paris, à tarde ainda houve concentrações com vários milhares de pessoas em outras cidades como Marsella, Burdéus, Toulouse – onde se verificaram também algumas alterações a meio da tarde – como em Lyon – com cortes na autoestrada A7-.

Tal como nas últimas semanas, nem a Prefeitura de Polícia nem o Ministério do Interior quiseram dar até agora o total do dispositivo policial para fazer frente aos distúrbios.

Contudo, sabe-se que em Paris foram mobilizados quatro blindados da polícia e outros dois em Toulouse e que desde primeira hora da manhã fazem controles em vários troços de autoestradas de acesso à capital.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)