Audi

Audi e Mercedes dizem que esgotaram e-tron e EQC

258

Audi e Mercedes fazem questão de anunciar o êxito dos seus primeiros veículos eléctricos, respectivamente o Audi e-tron e o Mercedes EQC. Ambas afirmam que os modelos são um sucesso, mas serão mesmo?

Autor
  • Observador

A Audi informou que já recebeu 20.000 encomendas para o seu SUV eléctrico e-tron, sendo que se desconhece o volume da produção instalada para o modelo, enquanto a Mercedes fala igualmente do esgotar da produção do SUV eléctrico EQC prevista para o primeiro ano de fabricação, isto sem avançar com a capacidade instalada de produção.

Qualquer um dos modelos aparenta uma qualidade de construção cuidada e acima da média, como é tradicional encontrar nos veículos que envergam os respectivos emblemas. O problema reside na autonomia, onde ambos estão bastante abaixo das expectativas, anunciando valores em torno dos 400 km, segundo o método WLTP, abaixo pois do Jaguar I-Pace e a anos-luz dos Tesla equivalentes.

De acordo com Bram Schot, o CEO da Audi, o e-tron já recebeu mais de 20.000 encomendas, não se conhecendo se este valor significa a produção prevista para o ano, o que não deixa de ser relevante quando o próprio Schot afirmou numa entrevista que o e-tron necessitava de atingir 600.000 exemplares para fazer break even, o que a este ritmo representa cerca de 30 anos de produção…

A Mercedes, pelo seu lado, viu Dieter Zetsche afirmar que a produção do EQC estava esgotada para o primeiro ano de produção – que vai arrancar apenas em meado do ano –, sem contudo revelar quantos carros pensa fabricar anualmente. Admite, porém, que não deverá conseguir satisfazer a procura em 2019 e, muito menos, em 2020. Resta saber se esta procura será suficiente para que ambas as marcas cumpram os objectivos de emissões de CO2 previstos para 2020, conseguindo assim evitar pesadas coimas.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Desigualdade

Estudar é para todos?

José Ferreira Gomes

Todos os jovens merecem igual consideração e há que evitar oferecer diplomas sem valor futuro no mercado de trabalho. O facilitismo só vem prejudicar os jovens, em especial os socialmente mais frágeis

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)