Rádio Observador

Abusos na Igreja

Cimeira sobre abusos no Vaticano será “ponto de viragem” para a Igreja

O arcebispo de Chicago afirma que encontro sobre os abusos a crianças cometidos pelo clero será "um momento crucial" para a Igreja tome consciência da sua responsabilidade.

O encontro, de 21 a 24 de fevereiro, contará com a participação de cerca de 190 pessoas, incluindo 114 presidentes de conferências episcopais de todo o mundo,

TANNEN MAURY/EPA

O histórico encontro sobre os abusos a crianças cometidos pelo clero, que reunirá de 21 a 24 de fevereiro 190 líderes católicos de todo o mundo, será “um ponto de viragem” para o Vaticano, segundo a organização que esta segunda-feira apresentou o programa.

Em conferência de imprensa, um membro da comissão organizadora do encontro, o arcebispo de Chicago (EUA), Blase J. Cupich, disse que a reunião será “um momento crucial” e “um ponto de viragem” para a Igreja a tomar consciência da sua responsabilidade.

Mas acrescentou que não há necessidade de criar as expectativas do que será alcançado, porque os abusos não terminarão em três dias, mas que é importante a igreja se concentrar nesta primeira tarefa.

Cupich disse que durante esses quatro dias vai ser debatida a questão da “responsabilidade dos bispos” e a “transparência”. Por outro lado, explicou, ao voltarem para casa, todos os participantes devem ter em conta que “estão perante uma encruzilhada”.

O também membro da comissão organizadora e vice-secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, o arcebispo maltês Charles Scicluna, sublinhou a necessidade de “quebrar o código de silêncio, cumplicidade e negação, porque a verdade é o que realmente conta”.

O moderador da reunião, o padre italiano Frederico Lombardi, explicou que o encontro contará com a participação de cerca de 190 pessoas, incluindo 114 presidentes de conferências episcopais de todo o mundo, dez representantes de congregações homens e dez mulheres, chefes de vários dicastérios (ministérios do Vaticano) e especialistas.

A cimeira será precedida de uma reunião que a comissão organizadora irá manter com um grupo de uma dúzia de vítimas, entre os quais o espanhol Miguel Hurtado, que acusou o monge de Montserrat Andreu Soler e o chileno Juan Cruz, entre outros. Algumas vítimas também participarão nas reuniões no Vaticano.

A reunião começará com alguns vídeos das reuniões que os presidentes das conferências episcopais tiveram com algumas vítimas durante estes dias, embora os dados de quantas participaram encontros não tenham sido fornecidos.

A cimeira começará na quinta-feira com algumas palavras do papa, seguindo-se palestras. À tarde, serão formados grupos de trabalho para analisar as experiências de cada cultura, país ou pessoal em casos de abuso infantil. O programa completo pode ser consultado aqui.

O papa Francisco disse esta segunda-feira no Twitter que quer que a reunião sobre a proteção de menores na Igreja seja um “ato de forte responsabilidade pastoral diante de um desafio urgente de nosso tempo”.

O escândalo dos abusos sexuais cometidos por membros da Igreja Católica foi um dos grandes desafios do papa em 2018. O abuso sexual contra crianças durante vários anos chegou a ser classificado pelo secretário do papa emérito Bento XVI como “o 11 de Setembro da Igreja Católica”, um momento apocalíptico com incontáveis vítimas.

A 12 de setembro, Francisco decidiu marcar uma cimeira sobre os abusos sexuais na Igreja, convocando os presidentes de todas as conferências episcopais do mundo.

O anúncio foi feito no seguimento de um encontro do “C9”, o grupo de cardeais que aconselha o papa sobre a reforma das estruturas da Igreja.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)