Rádio Observador

Fogo de Pedrógão Grande

Infraestruturas de Portugal inspecionou “Estrada da Morte” dias antes do incêndio de Pedrógão

A inspeção, feita menos de duas semanas do início do incêndio de Pedrógão Grande, não revelou qualquer problema no troço onde morreu a maioria das vítimas do fogo.

Na Estrada Nacional 236-1, histórica ligação entre as vilas de Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, o fogo matou 47 pessoas

HENRIQUE CASINHAS/OBSERVADOR

A Infraestruturas de Portugal realizou uma inspeção à Estrada Nacional 236-1 — que viria a ficar conhecida como “Estrada da Morte” depois de lá terem morrido 47 pessoas do incêndio de Pedrógão Grande — nove dias antes do fogo, mas não encontrou nenhum problema no troço onde morreram as vítimas, noticia a SIC.

De acordo com a estação televisiva, o resultado da inspeção foi uma carta, enviada três dias depois do fogo à Ascendi, empresa responsável pela estrada, na qual são referidas nova situações nas quais é necessário intervir. Dessas, apenas duas situações se referem a manchas de árvores inclinadas para a estrada — e nenhuma naquele troço.

Segundo o especialista em incêndios florestais Xavier Viegas, que coordenou o relatório encomendado pelo Governo sobre aquele fogo, explicou à SIC que este relatório da Infraestruturas de Portugal apenas identificava os mínimos necessários à segurança da circulação rodoviária, sem ter em consideração o risco de incêndio.

Xavier Viegas lembrou ainda que, apesar de as bermas da estrada estarem limpas, na zona onde ocorreram as mortes havia “pinheiros do outro lado do rail de proteção”, sem respeitar a distância mínima entre as árvores e a estrada.

Ainda de acordo com a reportagem da SIC, a Infraestruturas de Portugal confirmou ter realizado a inspeção no dia 8 de junho de 2017, menos de duas semanas antes do incêndio que deflagrou em 17 de junho, e assegurou que a Ascendi cumpriu as obrigações “no que se refere à manutenção vegetal”.

A Infraestruturas de Portugal sublinhou ainda que a fiscalização, naquela altura, competia a entidades entre as quais se incluem a GNR, a PSP, a Autoridade Nacional de Proteção Civil, a Autoridade Florestal Nacional, as polícias municipais e as autarquias, mas não a IP.

[Veja a reportagem do Observador em vídeo sobre a “Estrada da Morte”]

Xavier Viegas lamenta a “falta de sensibilidade” para o problema dos incêndios, sublinhando que as entidades apenas olham para as suas especialidades. “Neste caso, uma gestora de estradas cuida da circulação dos carros. Pelo país, vemos muitas vias nesse estado, até mesmo autoestradas. Não creio, não é possível que todas as estradas possam ser limpas e sejam espaços completamente seguros. Mas, pelo menos, devem evitar-se aquelas situações que possam pôr mais em risco a vida das pessoas”, afirmou o especialista.

É preciso, adianta Xavier Viegas, a criação de clareiras de segurança em vários pontos das estradas, uma vez que não é possível limpar toda a extensão da rede rodoviária.

O relatório foi apresentado em tribunal, durante a fase de instrução, por Rogério Mota, responsável pela assistência e manutenção da Ascendi, que está acusado de 34 crimes de homicídio por negligência.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jfgomes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)