Venezuela

Madeira recebeu 18 repatriados da Venezuela desde 2018

Em 2018 foram repatriados sete portugueses e, em 2019 o número subiu para 11. O governo regional estima que morem na região cerca de 7.000 pessoas provenientes da Venezuela nos últimos três anos.

Dos dados fornecidos à Lusa relativos a este ano, a aérea da saúde tem "6.124 migrantes da Venezuela inscritos"

HOMEM DE GOUVEIA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O governo da Madeira divulgou esta segunda-feira que recebeu um total de 18 repatriados provenientes da Venezuela desde 2018, mas acredita que regressaram à região cerca de 7.000 pessoas que viviam naquele país. Segundo informou a Secretaria Regional da Educação (SRE), que tutela as comunidades emigrantes, “em 2018 foram repatriados sete cidadãos e, em 2019, já foram repatriados 11 cidadãos nacionais”. Contudo, a SRE não sabe quais os motivos que levaram a esses repatriamentos.

Quanto ao número de lusodescendentes que possam ter regressado da Venezuela, indicou ser um número difícil de apurar porque falta a atualização das estimativas da população por parte de entidades especializadas, como o Instituto Nacional de Estatística ou a Direção Regional de Estatística, não sendo, por agora, possível obter números rigorosos.

“Contudo, com base na informação que recolhemos a partir de diversas entidades que integram o universo da administração pública central, regional e local, bem como do movimento associativo, estimamos que se encontrem a residir na região cerca de 7.000 pessoas provenientes da Venezuela nos últimos três anos”, disse. Ressalva a SRE que “é, contudo, possível que pela Região Autónoma da Madeira tenham passado muitas mais pessoas que optaram por não se fixar”.

Dos dados fornecidos à Lusa relativos a este ano, a aérea da saúde tem “6.124 migrantes da Venezuela inscritos”. A educação regista 508 alunos matriculados (desde o pré-escolar até ao ensino secundário), enquanto a Investimentos Habitacionais da Madeira (IHM) — empresa pública que tem a responsabilidade de implementar a política do Governo Regional da Madeira no domínio do apoio à habitação das famílias mais carenciadas — registava 395 inscritos para os seguintes programas: Habitação Social; Apoio à Recuperação de Imóveis Degradados; Apoio ao Arrendamento através do Programa de Apoio aos Desempregados.

O Instituto de Emprego da Madeira teve 1.978 inscritos ao longo de 2018. “Entre 2016 e 2018, participaram em programas de emprego 160 cidadãos, registando-se 165 colocações realizadas pelo IHM”, dizendo a SER que “2.000 pessoas encontraram alternativas de emprego, emprego próprio ou tornaram-se empreendedores”.

Na área da Segurança Social, foram concedidos em 2018 “apoios sociais a 1.687 indivíduos regressados da Venezuela, que correspondem a 616 agregados familiares”. No que concerne às pensões, existiam, em novembro de 2018, 340 pedidos. Também o Gabinete de Acesso ao Ensino Superior realizou 550 atendimentos a regressados da Venezuela (entre abril de 2017 e dezembro de 2018), tendo sido instruídos 57 processos de equivalências.

A crise política na Venezuela agravou-se em 23 de janeiro, quando o líder da Assembleia Nacional, Juan Guaidó, se autoproclamou Presidente da República interino e declarou que assumia os poderes executivos de Nicolás Maduro.

Guaidó, 35 anos, contou de imediato com o apoio dos Estados Unidos e prometeu formar um governo de transição e organizar eleições livres. Nicolás Maduro, 56 anos, no poder desde 2013, recusou o desafio de Guaidó e denunciou a iniciativa do presidente do parlamento como uma tentativa de golpe de Estado liderada pelos Estados Unidos. A maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, reconheceram Guaidó como Presidente interino encarregado de organizar eleições livres e transparentes.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)