437kWh poupados com o Logótipo da MEO Energia Logótipo da MEO Energia
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Logótipo da MEO Energia

Adere à Fibra do MEO com a máxima velocidade desde 29.99/mês aqui.

Os adultos que jogam como miúdos para os mais novos subirem a montanha (a crónica do Desp. Aves-Benfica)

Este artigo tem mais de 3 anos

Elogiar a maturidade dos miúdos do Benfica virou moda. Faz sentido. Mas a vitória na Vila das Aves (3-0), como as outras, teve grande cunho dos adultos. Os mesmos adultos que agora jogam como jovens.

Jogadores do Benfica celebram terceiro golo de Ferro, que sentenciou em definitivo o encontro na Vila das Aves
i

Jogadores do Benfica celebram terceiro golo de Ferro, que sentenciou em definitivo o encontro na Vila das Aves

LUSA

Jogadores do Benfica celebram terceiro golo de Ferro, que sentenciou em definitivo o encontro na Vila das Aves

LUSA

Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A pergunta tornou-se quase uma questão da praxe em conferências de imprensa de Bruno Lage, a resposta desta vez esvaziou qualquer hipótese de haver insistência. “Está convocado e estou muito satisfeito com isso. Vejo um jovem a recuperar bolas, a marcar golos e a divertir-se. E o mais importante é ir feliz para casa”. O jovem chama-se Jonas. O jovem tem 34 anos, a um mês e meio de fazer 35. O jovem, que era um elemento fundamental tantas vezes a dar respostas às perguntas que o jogo ia levantando, encontra-se agora num patamar diferente, sem lugar nas opções iniciais e sentado no banco de suplentes. Ainda assim, merece os elogios do técnico encarnado. Também ele, tal como outros mais experientes, justifica o bom momento do Benfica.

Benfica vence na Vila das Aves por 3-0 e volta a reduzir distância para o líder FC Porto

Muito se tem falado da juventude dos encarnados. Mais do que ter jogadores formados no clube na equipa, o que faz a diferença é a forma como entram, tomam conta da ocorrência e saem como se fosse a coisa mais natural do mundo. No entanto, como em qualquer conjunto de topo, nem tudo se pode resumir a esse lançamento dos mais novos para deixarem em campo durante 90 minutos aquilo que lhes foi ensinado durante anos no Seixal. É certo que elementos como João Félix, Ruben Dias, Gedson Fernandes ou Florentino Luís (Ferro não chegou ao ponto a que irá chegar mantendo a atual trajetória e que já mostrou, mesmo somando dois golos) são miúdos que jogam como adultos, mas também os adultos estão a jogar como miúdos.

Quem se recorda da trajetória de Pizzi? Aquele jogador irreverente que dava nas vistas em esquemas de 4x3x3 como falso ala a sair da esquerda para o meio para fazer a diferença no remate – foi assim que já marcou um hat-trick no Dragão – e que quando chegou ao Benfica foi começando a pisar terrenos centrais com mais um ou dois médios? Hoje joga com um prazer que tem nos números o seu melhor reflexo (jogador com mais assistências do Campeonato, fora os golos marcados), numa posição de falso ala direito quase sempre a explorar o jogo por dentro e não a profundidade para respeitar as dinâmicas da equipa. E como o médio de 29 anos também há Samaris, da mesma idade, que andou na prateleira e voltou para ser peça principal ou Seferovic, de 26 anos, que marca como nunca a correr bem como sempre – mas, neste ciclo, correndo melhor do que corria.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ficha de jogo

Mostrar Esconder

Desp. Aves-Benfica, 0-3

22.ª jornada da Primeira Liga

Estádio do CD Aves, na Vila das Aves

Árbitro: Hugo Miguel (AF Lisboa)

Desp. Aves: Beunardeau; Rodrigo, Ponck, Diego Galo, Jorge Fellipe, Vítor Costa (Rúben Oliveira, 66′); Vítor Gomes (Miguel Tavares, 77′), Braga (Fariña, 66′); Mama Baldé, Luquinhas e Derley

Suplentes não utilizados: Szymonek, Rodrigo Defendi, Mato Milos e Diallo

Treinador: Augusto Inácio

Benfica: Vlachodimos; André Almeida, Rúben Dias, Ferro, Grimaldo; Samaris, Gabriel, Pizzi, Rafa (Gedson Fernandes, 77′); João Félix (Zivkovic, 86′) e Seferovic (Jonas, 83′)

Suplentes não utilizados: Svilar, Corchia, Cervi e Jonas

Treinador: Bruno Lage

Golos: Seferovic (3′), Rafa (36′) e Ferro (59′)

Ação disciplinar: cartão amarelo a Rúben Dias (56′), Diego Gala (71′), Samaris (71′) e André Almeida (89′); cartão vermelho direto a Ferro (64′)

Este também é o segredo do Benfica. Num momento em que virou “moda” elogiar a maturidade dos jogadores mais novos que os encarnados vão lançando com sucesso na equipa principal, o triunfo por 3-0 na Vila das Aves (sétimo consecutivo a contar para o Campeonato) provou que existem adultos que jogam como miúdos na vontade, na entrega e na disponibilidade para pisarem outras missões e terrenos dentro de uma ideia de jogo de sucesso. E é também por isso que Bruno Lage pode arriscar ir trocando jogadores na equipa por gestão – quem entra, com mais ou menos idade, sabe ao que vai, como vai e para onde vai. Como ilustra a fotografia desta crónica, para os mais novos como Félix subirem a montanha são necessários os mais velhos para servirem de suporte. E este foi mais um jogo onde, por mais do que uma vez, Pizzi apareceu a dar conselhos ao avançado.

No meio de tudo isto, existe uma dose de “estrelinha” a iluminar o por si só iluminado momento que o Benfica atravessa. Não está relacionado com essa coisa da sorte e do azar, que de vez em quando se fala no futebol mas que é sobretudo resultado de algo sem ponta de fortuito – mais uma vez, logo a abrir o encontro e no primeiro remate à baliza, Haris Seferovic conseguiu inaugurar o marcador na Vila das Aves, no seguimento de um passe longo de Samaris (que teve quatro ações ofensivas e 100% de eficácia de passe nos primeiros minutos) a explorar as costas da defesa com cinco unidades sem posse do Desp. Aves que o suíço parou no peito e, com muita classe, picou por cima do guarda-redes visitado Beunardeau (3′).

Ainda a avalanche ofensiva não tinha começado e já o Benfica estava na frente do marcador; quando a mesma arrancou a sério, perante a mobilidade atacante dos encarnados que se torna complicada de travar perante as opções e linhas de passe que se vão criando, foi por pouco que João Félix não aumentou a vantagem: primeiro acertou nas malhas laterais, num lance que começou com a exploração da velocidade de Rafa em profundidade antes do passe para o remate na passada (9′); depois viu Beunardeau fazer a primeira intervenção apertada, antes de duas tentativas de recarga que deixaram os avenses em apuros (15′).

[Clique nas imagens para ver os melhores momentos do Desp. Aves-Benfica em vídeo]

O Benfica tinha uma boa reação à perda, que conseguia recuperar desde logo a bola ou dar tempo para que as linhas baixassem e ficassem mais compactas no processo defensivo, mas o Desp. Aves conseguiu reagir ao golo madrugador sofrido, com alguma capacidade para lançar ataques rápidos que pecavam apenas na aproximação à baliza. Vítor Costa, num livre lateral que em vez de ser batido para a área levou a direção da baliza, obrigou Vlachodimos a uma intervenção mais apertada (28′) antes do 2-0 que iria alterar o resto do encontro: após uma combinação que fez a bola passar pelos pés de Pizzi, Grimaldo e João Félix, Rafa recebeu na área, contornou bem um adversário e rematou colocado e em arco para o seu 11.º golo da temporada (36′). Rodrigo, de fora da área, ainda tentou reduzir antes do intervalo mas o grego voltou a defender da melhor forma a incursão avense (41′).

Augusto Inácio, não fazendo substituições ao intervalo, procurou mexer com a estrutura da equipa e posicionamentos de alguns jogadores para chegar ao golo que pudesse deixar de novo tudo em aberto até ao final. E sabia que a entrada em campo para o segundo tempo poderia ser determinante. Foi mesmo mas ao contrário das aspirações do Desp. Aves: depois de uma grande defesa de Beunardeau a mais um remate perigoso de João Félix (47′), a defesa avense ainda conseguiu tirar um golo feito a Seferovic após mais uma grande jogada coletiva dos encarnados (54′) mas nada conseguiu fazer quando na sequência de um canto o guarda-redes francês saiu mal à bola e, aproveitando a confusão na área, Ferro fez um chapéu para o 3-0 (59′).

Segundo jogo como titular no Campeonato, segundo golo do central, último jogador da formação a ser lançado com Florentino Luís. Com isso, Ferro tornou-se o defesa mais novo de sempre a marcar nos dois primeiros encontros pela equipa principal dos encarnados; cinco minutos depois, alcançou outro registo mas menos positivo: após carregar Derley quando o avançado ia para a baliza isolado, o central foi expulso e passou a ser o primeiro desde Carlos Manuel, num dérbi há 35 anos, a marcar e ser expulso com vermelho direto no mesmo jogo. Samaris recuou para central antes de Bruno Lage equilibrar a equipa com a entrada de Gedson Fernandes para o lugar do Rafa, Vlachodimos fez ainda duas defesas mais apertadas mas o Benfica conseguiu controlar sempre em inferioridade numérica, voltando a procurar o golo através de João Félix e Jonas nos últimos minutos.

A página está a demorar muito tempo.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.