Rádio Observador

Moda

Do B de Beckham ao B de Brexit. Os melhores momentos da Semana de Moda de Londres

Do clã Beckham e emulação das Spice Girls às mensagens políticas de Vivienne Westwood. Uma viagem pela Semana de Moda de Londres, que se despede esta terça-feira.

É um bando à parte, mas perfeitamente integrado nas etapas a que um circuito do género convida. Domingo de manhã, a Tate Britain assistia ao desfile da coleção outono-inverno 2019 de Victoria, ou VB, como é conhecida no meio. David e os quatro filhos  (incluindo a benjamim, a estrear uma franja tão mediática quanto ela, e que valeu comparações com a da mítica editora Anna Wintour) assistiam em peso. O keeping up relâmpago com o clã Beckham incluiu imagens da front row, um momento partilhado pela designer na sua conta de Instagram, durante o almoço em família, e uma passagem pela festa no exclusivo Mark’s Club, o mesmo onde a marca portuguesa Sophia Kah apresentou novidades, com direito a nostalgia Spice Girls, ou Spice Gurrls, numa recriação ao vivo muitíssimo livre.

“É a primeira vez que trabalho com uma narrativa”, admitiu Victoria na fase de preview. “Há algo de cinemático nesta coleção. É como se ao longo do desfile cada look representasse uma cena diferente da sua vida”, resumiu a Vogue britânica, sobre a ex-Posh Spice, que em dez anos passou de sensação a designer respeitada. “Lady but not ladylike” foi a fórmula definida por Victoria, que resulta bem melhor em língua inglesa mas que se ajusta como uma luva a todos os idiomas, desde que professem sem culpas o seu lado safado — sim, VB também usou a expressão “naughty” para descrever os coordenados sugeridos para a próxima estação, com o devido balanço entre sofisticação e sex appeal.

A verdade é que chegados a fevereiro de 2019, o alfabeto no Reino Unido fica praticamente circunscrito a uma letra: B. B de Beckham, é certo, pelo trabalho desenvolvido por V e pelo casamento mais popular e escrutinado do reino, mas também de Brexit. Não fosse esta ilha um dos solos mais férteis em contradições.

17 de fevereiro, noite de tributo drag patrocinado pelas ‘Spice Gurrls’. O grupo atuou na after party Victoria Beckham x YouTube Fashion & Beauty no âmbito da London Fashion Week, que teve como anfitriões Derek Blasberg e David Beckham, no Mark’s Club © Victor Boyko/Getty Images

Para cumprir a quota ativista, nada como reclamar a presença da eterna militante de serviço. Vivienne Westwood, que encerrou o desfile em St John’s Smith Square, Westminster, de microfone em punho, trouxe as mensagens para a linha da frente. Tantas e tão variadas, com direito a intervenções/performances em pleno desfile, que a cacofonia esteve ali ao virar da esquina.

Houve coroas e t’shirts para tudo, da política pura e dura à sustentabilidade do planeta, sem esquecer o #MeToo, com a líder do movimento que eclodiu em outubro de 2017, Rose McGowan, a apresentar-se com um chapéu a dizer “Angel” (Anjo) e a defender que “precisamos de mais heróis”. A designer fez ainda desfilar modelos com os narizes brilhantes, feitos para emular o mentiroso Pinóquio e os impostos que “os pobres pagam para dar aos ricos”. Da saída do Reino Unido da União Europeia — “O Brexit é um crime, devíamos estar a colaborar todos, não a afastar-nos do resto do mundo” — para os desafios ambientais (neste melting pot de intenções, Westwood manifestou também a vontade de angariar 100 milhões de libras para salvar a floresta tropical).

O tempo, nada de novo, é incerto por estas bandas. Da meteorologia e os seus típicos caprichos para o temperamento social. ‘Tempest’ foi o mote da segunda coleção apresentada pelo diretor criativo da Burberry, Riccardo Tisci, e dificilmente se encontrariam melhores termos para assinalar tempos pautados pelo furacão Brexit, para mais numa ilha em oscilação permanente entre o mais fino recorte da tradição aristocrática e o desalinho punk.

“Tenho pensado muito em Inglaterra enquanto um país de contrastes, desde o estruturado até ao rebelde e livre, e queria celebrar a forma como estes elementos coexistem. A minha primeira coleção para Burberry foi o início da criação  do meu alfabeto para a marca, foi sobretudo identificar novas letras e novos códigos. E agora, começo a juntar essas letras e a escrever o meu livro, para formar o primeiro capítulo para uma nova era na Burberry”, definiu Tisci. Somos peças num xadrez, mesmo que ele seja da Burberry, e as jogadas são cada vez mais arriscadas.

Riccardo Tisci e a constelação Burberry Irina Shayk e Gigi Hadid foram duas das estrelas que desfilaram para a marca.

Numa terra de cavalheiros e rufias, de ladies e briosos vagabundos, Tisci fez regressar o calendário aos anos 90 e trouxe-o de volta aos dias de hoje. No interior dos Tate Modern Tanks, dois ambientes. Um, mais tradicional e formal, com assentos de madeira rígidos; o outro inclinado à rebeldia, liberdade e inclusão, com mais de 100 jovens a escalarem as paredes. E ainda uma corte de manequins absolutamente sonante.

Ao cair do pano, já esta terça-feira, Christopher Kane serviu um banquete de “saias cupcakes”, como lhes chama o designer. Duas estações depois da coleção Joy of Sex, a irreverência volta a alinhar-se com o fetichismo e este, por sua vez, a intrometer-se nas silhuetas. Volume, exagero, nostalgia futurista da velha crinolina, qual cereja no topo destes bolos, e esse jogo permanente entre rigidez e fluidez. Na passerelle, como em todo o UK.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mrsilva@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)