Rádio Observador

Futebol

Pro Pianceza expulso da Serie C por jogar com 7 adolescentes em derrota por 20-0

Com o plantel em greve, o Pro Piacenza jogou com 7 adolescentes para evitar uma despromoção por falta de comparência. Perdeu 20-0 e a terceira liga italiana expulsou o clube no dia seguinte.

O Pro Pianceza alinhou com o número mínimo de jogadores pelo regulamento da FIFA, 7.

Pro Pianceza

A Federação Italiana de Futebol decidiu a expulsão imediata do Pro Piacenza da terceira liga italiana. O clube seguia no último lugar da Serie C, e tinha perdido contra o Cuneo por 20-0 na última jornada. O presidente da Federação Italiana, Gabriele Gravina, considerou o jogo “um insulto ao desporto”, mas não foi o mau resultado que justificou a expulsão do clube. O Pro Piacenza entrou em campo com jogadores não registados na Serie C, como avança o El Mundo, o que implica a desqualificação automática.

“Na última reunião da Federação decidimos que qualquer clube que não pagasse os ordenados devia ser impedido de competir”, avançou ainda o presidente da Serie C, Francesco Ghirelli, em declarações à Radio Rai. O plantel e a equipa técnica do Pro Piacenza estavam em greve por o clube não pagar os salários desde agosto de 2018, como avança o The Guardian.

Sem jogadores, a equipa não tinha competido nas quatro jornadas anteriores da Série C. Uma quinta derrota por não comparência implicaria a despromoção automática. Para o evitar o Pro Piacenza jogou contra o Cuneo com 7 jogadores, o número mínimo para começar um jogo de futebol. Seis dos jogadores vieram das equipas de formação do clube (tinham entre 16 e 19 anos), ficando o mais velho, Cirigliano, encarregue de ser simultaneamente o capitão e o treinador durante o jogo. O outro atleta em campo foi o massagista do Pro Piacenza, Picciarelli. Outro jovem da formação — que não pode jogar inicialmente por se ter esquecido do bilhete de identidade em casa — entrou na segunda parte, reforçando a equipa para 8 jogadores. O massagista sairia minutos depois por lesão. O Cuneo já ganhava por 17 golos.

A instabilidade financeira dos clubes da Serie C não é novidade

O Pro Pianceza deveria cerca de 500 mil euros aos seus funcionários. O clube, fundado em 1919, chegou pela primeira vez ao escalões profissionais do futebol italiano em 2014. Depois da derrota frente ao Cuneo, o presidente da Associação Italiana de Jogadores, Damiano Tommasi, acusou o clube de tentar “entrar no futebol profissional sem ter condições”, de acordo com a Rai Sport. Desde 2018, o Pro Piacenza é propriedade da empresa tecnológica Sèleco.

As contas instáveis dos clubes italianos são um problema recorrente nos escalões profissionais mais baixos. Só este ano, quatro clubes desistiram da Serie C por falência: S.S. Fidelis Andria 1928, A.C. Mestre, A.C. Reggiana 1919 e L.R. Vicenza Virtus. Houve tantos problemas em organizar a Terceira Liga italiana que o início da competição foi adiado um mês pela Federação Italiana. No ano anterior tinham sido cinco equipas a falhar os requerimentos de estabilidade financeira: S.S. Maceratese, Mantova 1911 S.S.D, A.C. Riunite Messina 1947, Latina Calcio 1932 e Modena F.C.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)