A Fight for the Future, uma organização sem fins lucrativos na área dos direitos digitais, lançou a plataforma SpeakOut.Tech, que incentiva os trabalhadores de empresas de tecnologia e comunicação a denunciarem de forma anónima práticas anti-éticas das empresas, como a privacidade, questões raciais, contratos com o governo e assédio no trabalho.

O site recomenda a ferramenta SecureDrop, para os utilizadores enviarem informações confidenciais para os media ou outras organizações. Alguns estão dispostos a receber diretamente as denúncias de forma anónima, como o site coworker.org, o jornal online The Intercept, a agência de notícias Associated Press, o jornal britânico The Guardian e o jornal americano The New York Times.

Jelani Drew, ativista da Fight for the Future, contou, citado pelo The Guardian, que as ”as pessoas estão realmente animadas”. ”É incrível que os trabalhadores da área da tecnologia estejam a pressionar os empregadores”, disse.

Os casos do Facebook e da Google

Através do The GuardianChristopher Wylie, ex-diretor da empresa de análise de dados Cambridge Analytica revelou ao mundo como a empresa tinha usado indevidamente os dados de 87 milhões de contas do Facebook para ajudar a eleger Donald Trump nas eleições norte-americanas de 2016.

Na Google, no ano passado, alguns trabalhadores conseguiram organizar paralisações globais depois de descobrirem que a empresa pagou 90 milhões de dólares (cerca de 79 milhões de euros) a um executivo acusado de assédio sexual para abandonar a empresa, o que levou a algumas mudanças estruturais na companhia.

A Fight for the Future está a recolher dinheiro através de doações online, crowdfunding, para publicitar o movimento e chegar a mais pessoas e empresas de Sillicon Valley.