Rádio Observador

Amnistia Internacional

Amnistia Internacional denuncia execuções e uso excessivo de força na Venezuela

A Amnistia Internacional afirmou esta quarta-feira que "autoridades de Nicolás Maduro estão a tentar usar o medo e a punição para impor uma estratégia repulsiva de controlo social" .

Segundo a Amnistia Internacional, em apenas cinco dias -- entre 21 e 25 de janeiro - pelo menos 44 pessoas morreram, mais de 900 foram arbitrariamente detidos

Franque Silva/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A Amnistia Internacional denunciou esta quarta-feira o uso de força excessiva por parte das forças de segurança venezuelanas, sob o comando do Presidente Nicolás Maduro, com execuções e detenções arbitrarias para reprimir os protestos no país.

“As autoridades de Nicolás Maduro estão a tentar usar o medo e a punição para impor uma estratégia repulsiva de controlo social contra aqueles que exigem mudanças. O seu Governo [de Maduro] está a atacar as pessoas mais pobres que afirma defender, mas, em vez disso, mata, detém e ameaça-as”, assinalou Erika Guevara-Rosas, diretora para as Américas da Amnistia Internacional (AI).

Segundo a Amnistia Internacional, em apenas cinco dias — entre 21 e 25 de janeiro – pelo menos 44 pessoas morreram, mais de 900 foram arbitrariamente detidos, e só em 23 de janeiro — dia em que foram realizadas manifestações em todo o país — ocorreram 770 detenções arbitrárias.

Em comunicado, esta organização de defesa dos direitos humanos explicou que a Venezuela sofreu uma grande crise de violações dos direitos humanos durante anos, com escassez de alimentos, medicamentos, hiperinflação, violência e repressão política forçando mais de três milhões de pessoas a fugir do país desde 2015.

Face a essa realidade, milhares de pessoas protestaram exigindo uma mudança no Governo, tendo-se registado de 21 a 25 de janeiro várias manifestações, em particular nas zonas mais pobres da Venezuela.

Esta ONG constatou que há uma forte presença de grupos armados pró-Nicolás Maduro nas zonas pobres, onde os residentes dependem em grande parte dos programas do Estado, atualmente limitados, para distribuir alimentos básicos.

Esta organização de defesa dos direitos humanos relata as conclusões preliminares de uma missão de investigação na Venezuela, em que reuniu mais de 50 testemunhos e documentou 15 casos de como as autoridades estão a usar a fome, a punição e o medo para reprimir os protestos no país.

A AI documentou seis execuções extrajudiciais nas mãos das Forças de Ações Especiais (FAES) em vários locais do país.

Em cada caso, as vítimas estavam, de alguma forma, ligadas aos protestos e segundo explicou a AI, a força de segurança pública adulterou as cenas do crime e retratou as vítimas como delinquentes, alegando que tinham antecedentes criminais, numa tentativa de justificar as suas mortes.

“Como já vimos muitas vezes na Venezuela, as autoridades querem que acreditemos que aqueles que morreram durante os protestos – principalmente jovens de áreas de baixo rendimento – eram criminosos. O seu único crime foi ousar pedir mudanças e exigir uma existência digna”, salientou Guevara-Rosas.

Ao longo do comunicado, a Amnistia Internacional destaca ainda os casos de dois jovens mortos e um jovem ferido por parte das forças de segurança do Estado, enquanto participavam em protestos.

“Tanto a PNB [Polícia Nacional Bolivariana] como a Guarda Nacional Bolivariana (GNB) participaram em operações dessa natureza”, indicou a AI.

De acordo com o tribunal Penal da Venezuela, as autoridades prenderam 137 crianças e adolescentes em todo o país entre 21 e 31 de janeiro.

“Prender arbitrariamente mais de 100 adolescentes e sujeitá-los a tratamento cruel, que às vezes pode constituir tortura, mostra até onde as autoridades estão dispostas a ir nas suas tentativas desesperadas de parar os protestos e dominar a população”, alertou Guevara-Rosas.

A Amnistia Internacional apela às autoridades para porem fim às políticas de repressão que desenvolveram nos últimos anos e cumprir a sua obrigação de garantir justiça, verdade e indemnização às vítimas de violações de direitos humanos ou crimes de direito internacional.

“O sistema de justiça venezuelano parece ter uma política de abandonar as vítimas das violações dos direitos humanos. As poucas pessoas corajosas o suficiente para apresentar relatórios ficam indefesas e em perigo devido à falta de resposta das autoridades”, sublinhou Erika Guevara-Rosas.

A Amnistia Internacional exorta o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas a tomar medidas para enfrentar a total impunidade que prevalece na Venezuela, através da criação de um órgão independente de investigação para monitorar e relatar situação dos direitos humanos no país.

“A justiça internacional é a única esperança para as vítimas de violações dos direitos humanos na Venezuela. É hora de ativar todos os mecanismos disponíveis para evitar mais atrocidades”, considerou Guevara-Rosas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Socialismo

Má-fé socialista /premium

José Miguel Pinto dos Santos

Não é a situação social em Portugal muito melhor que na Venezuela — e que nos outros países socialistas? Sim, mas quem está mais avançado na implantação do socialismo, Portugal ou Venezuela?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)