Rádio Observador

Governo

CDS apresenta moção contra Governo com chumbo garantido da esquerda

Esta será a 8.ª moção apresentada pelo CDS e a 30.ª a ser discutida na Assembleia da República desde o 25 de Abril de 1974. A moção já tem o voto contra garantido da maioria parlamentar de esquerda.

O debate é concentrado numa tarde, a partir das 15h, e terá uma duração prevista de pouco mais de três horas

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O parlamento debate esta quarta-feira uma moção de censura do CDS-PP ao Governo, a segunda dos centristas em pouco mais de um ano e meio, centrada no “esgotamento” do executivo do PS, e que tem “chumbo” garantido.

Esta será a 8.ª moção apresentada pelo CDS, partido recordista na censura aos governos, e a 30.ª a ser discutida na Assembleia da República em 45 anos de democracia, desde o 25 de Abril de 1974.

A moção já tem o voto contra garantido da maioria parlamentar de esquerda, que apoia o Governo — PS, BE, PCP e PEV. O PSD junta-se ao CDS no voto a favor.

Apesar de, regimentalmente, pode prolongar-se por três dias, o debate é concentrado apenas numa tarde, a partir das 15h, e terá uma duração prevista de pouco mais de três horas (cerca de 190 minutos).

O CDS-PP tem 12 minutos para abrir o debate, o mesmo tempo que o Governo disporá para responder. Seguem-se as rondas de perguntas e respostas e cada bancada parlamentar terá ainda tempo para as intervenções na tribuna do hemiciclo. O encerramento terá 24 minutos, 12 para os centristas e 12 para o executivo.

A moção de censura do CDS foi anunciada na sexta-feira à tarde e a líder do partido, Assunção Cristas, justificou-a com “o esgotamento” do executivo, “incapaz de encontrar soluções” para o país e de só estar a pensar “nas próximas eleições”.

Na terça-feira, subiu o tom do discurso, assumiu que queria eleições já e acusou o executivo de se ter transformado numa “verdadeira direção de campanha eleitoral” do PS, após a remodelação de domingo.

O investimento público, em “mínimos históricos”, é outro problema apontado ao Governo minoritário chefiado por António Costa, “ao contrário de todas as promessas”. Um exemplo disso é o desinvestimento, por exemplo, na ferrovia, que ficou em 5% do previsto até dezembro de 2018.

Os três anos e meio de governação do PS foram, para o CDS, “uma oportunidade perdida”, dado que caiu “a qualidade e capacidade dos serviços”, ao mesmo tempo que se está a “agravar a carga fiscal” sobre os portugueses, “a maior carga de sempre”.

O executivo, acusam ainda os centristas, “não faz o que devia para estimular” a economia e compromete Portugal na União Europeia (UE), ao “apoiar o fim da regra da unanimidade em matéria fiscal”.

“O Governo falha às pessoas, falha na dimensão social, falha na economia, falha no investimento e falha na soberania e segurança dos portugueses”, lê-se ainda no texto da moção.

Assunção Cristas sintetizou os objetivos numa frase: “O Governo está esgotado e o primeiro-ministro perdido. Um Governo que cria problemas, mas que é incapaz de encontrar soluções. Um Governo desorientado, desconcertado, sem ambição e sem programa.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Legislação

Menos forma, mais soluções /premium

Helena Garrido

É aflitivo ver-nos criar leis e mais leis sem nos focarmos nas soluções. A doentia tendência em catalogar tudo como sendo de esquerda ou de direita tem agravado esta incapacidade de resolver problemas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)