Um juiz federal norte-americano deu “luz verde” à ação judicial movida por ambientalistas contra a construção, em Chicago, de um centro sobre os mandatos presidenciais de Barack Obama (2009-2017).

O juiz John Blakey determinou, na terça-feira, que o grupo Protect Our Parks tem razões legais para questionar a instalação do centro presidencial Obama, avaliado em 450 milhões de euros, no parque Jackson, no sul de Chicago. O projeto do centro, que vai ocupar cerca de oito mil metros quadrados do histórico parque, inclui uma biblioteca e um museu.

Para os ambientalistas, o prefeito de Chicago, Rahm Emanuel, ex-chefe de gabinete de Obama e principal impulsionador da construção do centro, não tem autoridade para ceder o uso de terras públicas para projetos privados.

Além disso, o grupo defendeu que os seus direitos constitucionais seriam violados caso o dinheiro dos seus impostos fosse usado para construir um edifício onde pudessem ser promovidos os interesses políticos do ex-Presidente norte-americano.

No entanto, o magistrado considerou “não existirem provas de que os queixosos usem, visitem ou de alguma forma desfrutem do parque Jackson”, localizado no sul da cidade, no coração da comunidade afro-americana. O juiz Blakey prometeu agilizar o processo da ação judicial, mesmo que haja julgamento, para não atrasar mais o processo de construção.