Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

“Nunca pensei que poderia apaixonar-me desta forma por um gato”. A frase foi dita em 2013 por Karl Lagerfeld, o diretor criativo da Chanel que morreu esta terça-feira, aos 85 anos. Poderia ser uma simples expressão de amor, mas tornou-se mais do que isso, tendo em conta que a famosa Choupette está na lista para ser uma das possíveis herdeiras da fortuna de mais de 200 milhões de euros que o estilista deixou.

Lagerfeld não tem filhos nem mulher para deixar a sua fortuna, mas tem a sua gata branca de raça Sagrado da Birmânia e o seu afilhado Hudson Kroeing como possíveis herdeiros. O estilista já tinha dado a garantia numa entrevista em abril que a sua Choupette ficaria com parte da sua fortuna: “Se alguma coisa me acontecer, terá a sua herança”, referiu.

Choupette não é, definitivamente, uma gata qualquer. Conta com mais de 190 mil seguidores no Instagram, come em pratos de porcelana, tem duas assistentes pessoais, um guarda-costas e uma fortuna avaliada em cerca de três milhões de euros que ganhou em trabalhos como modelo. A gata foi adotada por Lagerfeld em 2011, depois de o manequim e cantor francês Baptiste Giabiconi a ter deixado em casa do designer durante alguns dias. Depois disso, Karl Lagerfeld nunca mais foi capaz de a devolver.

“Ainda não existe casamento entre os seres humanos e os animais”, lamentou o estilista também em 2013. Quando questionado sobre a possibilidade de a sua gata não se poder tornar numa das suas herdeiras, tendo em conta que a lei francesa não o permite, o estilista respondeu: “Ainda bem que não sou francês”. Já a lei alemã permite que situações como estas possam acontecer se a gata tiver sido nomeada herdeira através de uma associação ou fundação de animais, esclarece o Le Figaro. No entanto, esclarece o jornal francês, e salvo indicação contrária, é a lei do país de residência que se aplica. Neste caso, a lei francesa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Outro dos herdeiros possíveis do estilista é o seu afilhado, Hudson Kroenig. Lagerfeld não tinha filhos biológicos e sobre a sua família direta pouco se sabe. Era apenas conhecida uma irmã e uma meia-irmã, com quem não falava há décadas. Num artigo publicado no jornal norte-americano The New York times, chegou mesmo a dizer que a sua família eram os modelos e assistentes com quem trabalhava. O menino, de 11 anos, é filho de Brad Kroenig, um dos modelos favoritos de Karl Lagerfeld e desde cedo que foi notória a cumplicidade entre os dois.

O pai de Hudson, Brad Kroenig, conheceu Karl Lagerfeld em meados de 2000 quando estava a fotografar para a VMan e a partir daí a relação floresceu. O modelo masculino casou com Nicole, filha de Nick Bollettieri, um famoso treinador de ténis, e dessa relação sugeriu o pequeno Hudson, que acabou por se tornar no afilhado do criador. O menino tornou-se uma companhia habitual de Karl Lagerfeld  nos desfiles e chegou mesmo a dar os primeiros passos na moda, aos dois anos, ao lado do pai.

Quando Hudson chega a casa de um desfile num qualquer lugar exótico do mundo a sua primeira pergunta é: quando é o próximo desfile”, contou a mãe de Hudson, citada pelo Diário de Notícias. 

A cumplicidade entre o menino de 11 anos e Karl Lagerdfeld nunca passou despercebida. Em 2015, o criador disse que “Hudson é uma versão moderna de Jackie Coogan, a criança que atuou ao lado de Charlie Chaplin em The Kid”. Dada a proximidade do diretor criativo com o Brad Kroenig e o seu filho, correm rumores que serão estes a ficar com a gata Choupette, mas nada está, para já, confirmado, refere o The Independent.