Mário Centeno

Quase metade dos pré-avisos de greve diários são na educação

Mário Centeno declara que "As estatísticas são que são e a verdade é que até ao dia 8 de fevereiro deram entrada 105 pré-avisos de greve".

O número de pré-avisos tem vindo a aumentar e em 2018 totalizou os 733

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O ministro das Finanças disse esta quarta-feira que quase metade dos pré-avisos de greve que deram entrada em 2019 são na educação e dizem respeito a greves diárias, a tempos não letivos, que “empolam a estatísticas”.

Há 51 pré-avisos de greve na educação. São greves diárias, são greves às atividades não letivas, fora do horário letivo que empolam as estatísticas”, referiu Mário Centeno que está a ser ouvido na Comissão de Trabalho e Segurança Social.

Mário Centeno respondia assim ao deputado do PSD Álvaro Baptista que, citando dados noticiados pelo jornal Público, confrontou o ministro com o facto, de este ano, terem sido apresentados 112 pré-avisos até ao dia 15 de fevereiro, o que supera o número de pré-avisos que deram entrada ao longo de todo o ano de 2016.

As estatísticas são que são e a verdade é que até ao dia 8 de fevereiro deram entrada 105 pré-avisos de greve, mas 51 eram uma repetição do mesmo pré-aviso de greve na educação, que é uma greve ao período não letivo e, que distorce os dados”, precisou Mário Centeno.

O número de pré-avisos tem vindo a aumentar e em 2018 totalizou os 733, sendo este o número mais alto desde 2015.

Médicos, enfermeiros, professores, guardas prisionais, oficiais de justiça e trabalhadores dos impostos estão entre funcionários públicos que avançaram para a greve desde o início do ano passado. O atual governo enfrentou já duas greves gerais da função pública desde que está em funções. A primeira na reta final de 2018, e a segunda no dia 15 de fevereiro, tendo esta como principal motivo a decisão de apenas aumentar os trabalhadores que estão na base da tabela remuneratória da função pública, que passou dos 580 para os 635 euros.­

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Investimento público

A tragédia de Pedro Marques

Inês Domingos
211

Com um quadro Centeno confessou inadvertidamente como foi um dos principais responsáveis pelo desastre de atuação de Pedro Marques, sendo que este também não foi capaz de aplicar os fundos de Bruxelas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)