Rádio Observador

Diplomacia

São Tomé e Portugal discutem ações de cooperação a ser financiadas com 32,5 milhões de euros

180

A secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros iniciou uma visita de dois dias a São Tomé. Portugal vai discutir com o governo são-tomense possíveis ajustamentos e melhorias do que resta do PEC.

O Programa Estratégico de Cooperação (PEC) foi assinado em 2016, entre Portugal e São Tomé, no valor de 57 milhões de euros

Manuel Moura/LUSA

São Tomé e Príncipe e Portugal iniciam esta quarta-feira negociações para definir ações de cooperação financiadas nos 32,5 milhões de euros que restam do Programa Estratégico de Cooperação (PEC) assinado em 2016, no valor de 57 milhões de euros.

“O Programa Estratégico de Cooperação é o grande instrumento-quadro da cooperação entre Portugal e São Tomé, foi assinado em 2016, tem um pacote financeiro de mais de 57 milhões de euros, 43 por cento já está executado e portanto, agora, trata-se de, no tempo que falta para o termo do período deste PEC, ver com é que vamos concretizar diferentes iniciativas”, disse Teresa Ribeiro, esta quarta-feira à saída de um encontro com o primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus.

A secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Teresa Ribeiro, iniciou esta quarta-feira uma visita de dois dias a São Tomé e Príncipe, durante a qual vai discutir com o governo são-tomense possíveis “ajustamentos e melhorias” do que resta deste programa de cinco anos.

“Temos esse relacionamento em diferentes áreas. Corre com certeza bem, tem bons resultados, mas nós podemos sempre trazer melhorias, fazer ajustamentos em função daqueles que vão sendo os desafios que aparecem”, acrescentou a governante portuguesa.

Esta quarta-feira, primeiro dia da visita, a secretária de Estado reuniu-se com Jorge Bom Jesus, e com a ministra dos Negócios Estrangeiros, Comunidades e Cooperação, Elsa Pinto, para fazer um ponto de situação sobre o relacionamento bilateral e a execução do PEC.

A secretária de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação referiu também numa parceria estratégica que os dois governos já decidiram, mas que falta ser formalizada.

“A parceria estratégica já existe em termos informais, nós estamos de facto a trabalhar de uma forma tão próxima e querendo contribuir para aquilo que são os grandes desafios de São Tomé que eu diria que essa parceria estratégica já existe”, comentou.

Teresa Ribeiro considerou no entanto que “é preciso dar cobertura formal àquilo que já existe informalmente”, uma vontade, recordou, já manifestada pelo primeiro-ministro português, António Costa, e que deverá ser formalizada numa visita do chefe do Governo português ao país.

A governante portuguesa disse que estão em curso ações para que a deslocação a São Tomé do primeiro-ministro português seja concretizada ainda este ano, apesar do seu “calendário pesado”.

Há um ano, numa visita ao país, o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, anunciou que António Costa visitaria São Tomé até ao verão desse ano, o que não chegou a acontecer.

Segundo a governante, entre esta quarta e quinta-feira as equipas técnicas dos dois países “vão ter um conjunto de reuniões que de alguma forma permitam sintonizar as ações desenvolvidas com aquelas que são as preocupações do governo e com aqueles que são os compromissos plasmados no programa do governo”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)