Função Pública

Sindicatos da Função Pública levam novos salários para os tribunais

264

Os sindicatos criticam a nova tabela remuneratória do Estado, após o aumento do salário mínimo, que provoca a perda de pontos para a progressão na carreira.

A Fesap é um dos sindicatos que pretende avançar para a justiça

Manuel Almeida/LUSA

Os sindicatos da Função Pública pretendem avançar para os tribunais e para os provedores de justiça, nacionais e europeus, avança o Jornal de Notícias. Em causa está a nova tabela remuneratória do Estado que provoca a perda de pontos na progressão da carreira.

O diploma promulgado pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, estabelece um aumento do salário mínimo nacional no Estado para os 635,07 euros, mas provoca uma perda de pontos na Tabela Remuneratória Única.

Assim, um trabalhador que veja o seu salário aumentado para este novo valor volta à “estaca zero” no que toca à progressão acumulada. “Na melhor das hipóteses, esse trabalhador irá progredir na carreira em 2029, uma vez que só se obtém um ponto por cada ano. Se ele tiver acumulado cinco ou oito pontos, por exemplo, perde agora tudo e fica em pé de igualdade com um trabalhador que entre hoje para a mesma categoria”, diz José Abraão, da Fesap, ao JN.

O Ministério das Finanças deu orientações para um processamento salarial extraordinário ainda este mês, para que os 70 mil funcionários públicos recebam o novo valor. Apesar de o diploma ainda não ter sido publicado em Diário da República, não estando ainda em vigor, o Governo garante que esse aumento já se fará sentir no salário de Fevereiro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Governo

Quem quer casar com um governante?

Luís Reis

Se Soares foi Presidente-Rei, Costa revelou-se Primeiro-Ministro-Rei chamando o seu reduto doméstico a participar no governo dos súbditos, um nepotismo rosa instalado e a preparar a sucessão dinástica

Eleições Europeias

A mudança (que se impõe) na Europa

Rodrigo Saraiva

Ao invés do que supus, Macron tem desperdiçado as oportunidades para ser um agente da mudança. Aquilo que era um aparente europeísmo tem vindo a mostrar-se um eurocentrismo com toques de egocentrismo.

China

Vamos mesmo ignorar isto? /premium

Sebastião Bugalho

A Europa assumiu pela primeira vez que o expansionismo da China representa uma ameaça para o continente e os jornais portugueses, que tão competentemente cobriram a visita de Xi, não fazem perguntas?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)