Dezenas de trabalhadores das conservatórias do Registo Civil e Comercial de Lisboa estiveram esta quarta-feira concentrados na Avenida Fontes Pereira de Melo, em Lisboa, em protesto contra a mudança de instalações e o desmembramento das conservatórias.

Em declarações à agência Lusa, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Registos e Notariado, que convocou a vigília, explicou que os trabalhadores, além de não perceberem a razão da mudança, estão contra o “desmembramento das conservatórias”, alegando que este é um serviço que “funciona como um todo”.

“Nós não somos uma fábrica que produz material e que depois há alguém que o vende numa lógica de front office. O front office e o back office da conservatória é um serviço que funciona de forma integrada, um complementa o outro”, disse Arménio Maximino.

O presidente do sindicato acrescentou ainda: “O que pretendem fazer é separar a parte do atendimento da parte de apoio de retaguarda. Isso vai causar problemas de eficiência no serviço e constrangimentos que não servem o interesse público”.

A concentração decorreu junto aos serviços das conservatórias, na Avenida Fontes Pereira de Melo, entre as 08h00 e as 09h00, “para que os trabalhadores pudessem depois entrar todos ao serviço, sem prejudicar o atendimento ao público”, disse.