Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Pelo menos 110 pessoas morreram num incêndio de grandes dimensões na cidade de Dhaka, a capital do Bangladesh. Segundo o The New York Times (NYT), o fogo teve origem numa grande explosão que desencadeou uma série de outras e culminou num dos maiores desastres que afetou este país asiático.

As ruas de Dakha estavm à pinha quando a primeira explosão surgiu de rompante. Ao que tudo indica, um carro movido a gás natural — meio de transporte muito comum em vários países do continente asiático — estavava a percorrer uma zona próxima de um bazar quando o cilindro onde ia armazenado o combustível explodiu.

O rebentamento fez com que o o veículo desse uma cambalhota no ar e isso, afirmam testemunhas oculares citadas pelo NYT, foi o que permitiu a propagação do fogo: vários outros cilindros semelhantes começaram a explodir, uma loja de plástico irrompeu em chamas e, logo de seguida, o mesmo aconteceu a um pequeno estabelecimento comercial onde eram armazenados ilegalmente vários produtos químicos.

Uma enorme parede de fogo foi consumido tudo o que se cruzava à sua frente: bicicletas, riquexós, carros… e pessoas. Esta não é a primeira vez que o Bangladesh se vê a braços com uma situação crítica como esta, havendo um longo historial de incêndios e desabamentos de edifícios que estão muito associados a fatores como o mau ordenamento territorial, a corrupção e o excesso de população — tem pouco menos de 150 km2 e soma quase 165 milhões de habitantes, por comparação, o país tem apenas o dobro do tamanho de Portugal e 154 milhões de habitantes a mais. Há muitos relatos de que oficiais do governo encarregues de fiscalizar o correto acondicionamento de químicos perigosos, por exemplo, estão constantemente a ser corrompidos ou enganados por industriais e comerciantes endinheirados.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Em 2010, mais de 120 pessoas morreram num outro incêndio, também em Dhaka, quando um gerador explodiu e incendiou um depósito ilegal de químicos localizado no piso térreo de um prédio residencial. O inferno que se instalou foi tal, com um fluxo de trânsito completamente caótico, que os bombeiros quase nem conseguiram aproximar-se das chamas.

Depois desse desastre, as autoridades locais prometeram tomar medidas rigorosas e apertar a fiscalização. Acontece que tudo isso continua, muitas vezes, a ser ignorado pelos empresários e fiscalizadores. Em 2012 voltou a haver um incêndio de grandes dimensões numa fábrica de roupa que vitimou 115 trabalhadores.  Menos de um ano depois, 1100 pessoas morreram no desabamento de um edifício de oito andares onde morava uma outra fábrica de vestuário.

O desastre desta quarta-feira ocorreu, mais especificamente, no movimentado cruzamento de Chawkbazar, numa parte da cidade conhecida como Old Dhaka.